< Voltar à página de Economia Social

Jovens moçambicanas preparam-se em Lisboa para serem agentes de mudança

Como a iniciativa Girl Move continua mudar a vida de dezenas de jovens moçambicanas e contribuir, a médio e longo prazo, para a emancipação cultural, empresarial e política da mulher moçambicana.

Durante dois meses, 31 jovens moçambicanas da Academia Girl Move estagiaram em várias empresas portuguesas, entre as quais a Associação Mutualista Montepio, uma experiência inesquecível e que as deixará, nas palavras da responsável pelos estágios, Patrícia Guimarães, melhor preparadas para serem agentes de mudança em Moçambique.

“Elas não podiam sentir-se mais entusiasmadas. Mas também desafiadas e motivadas. Estiveram fora da sua zona de conforto, mas ficaram contagiadas de uma forma bastante positiva com a experiência”, explica Patrícia Guimarães.

A Academia Girl Move é uma iniciativa que procura inverter o ciclo de pobreza e os reduzidos níveis de escolaridade entre as jovens moçambicanas. Como? Possibilitando às cidadãs daquele país a aquisição de ferramentas fundamentais para mudar a sociedade.

“Sentem-se mais confiantes, mais competentes para se assumirem como agentes ativas de mudança positiva no nosso país”, reforçou a responsável.

O próximo passo, segundo a responsável, é a conclusão do programa Girl Move na cerimónia de graduação, em Nampula. Com o diploma na mão, as jovens moçambicanas têm a oportunidade de integrarem um de dois programas:

  • Programa de carreiras com impacto, no qual a equipa e os parceiros da academia acompanham e apoiam a integração no mercado de trabalho;
  • Programa de empreendedorismo social, através do qual podem implementarem o seu projeto com mentoria específica.

Missão difícil, energia infinita

Em Moçambique, apenas 10% das raparigas terminam o ensino secundário e, destas, só 1% ingressa no ensino superior. Na prática, quase 50% das jovens moçambicanas casam ou tem o primeiro filho antes dos 18 anos. É este cenário que a Academia Girl Move espera alterar.

“O objetivo é que a Girl Move ganhe ferramentas específicas para implementar o seu plano de carreira com impacto e regresse ao seu país de horizontes bem abertos e com uma visão de futuro bem definida”, realça Patrícia Guimarães. “Cada estágio é personalizado e realizado de acordo com a missão e ambição profissional de cada Girl Move. No fundo, todas dão os primeiros passos na sua carreira, reforçam competências-chave e estabelecem uma rede de contactos privilegiada”, conclui a responsável.

Recorde a entrevista ao Ei de Lindocas Bila, jovem que estagiou na Associação Mutualista Montepio. E conheça melhor o projeto Girl Move.

Ler mais

Saiba mais sobre

Economia social

0

Comentários

Comentários

Os comentários podem ser editados por questões de clareza e para permitir respostas mais gerais.