Estimada Associada,

Estimado Associado,

 
 

Dirijo-lhe esta mensagem num momento de absoluta singularidade na história recente da humanidade. Enfrentamos um novo vírus, disseminado em pandemia por todos os continentes, e observamos o facto inédito de mais de um terço da população mundial se encontrar confinada em isolamento social. Vemo-nos, assim, chamados a reagir, de forma responsável e solidária, a um acontecimento que tem impacto severo na nossa saúde e bem-estar e que tem consequências incontornáveis para as organizações e para a economia nacional e internacional.
 

Pessoas e sociedades estão a procurar responder a desafios de enorme complexidade, como sejam a luta pela vida na frente hospitalar, a gestão familiar e doméstica, o teletrabalho, a educação e acompanhamento da escolarização dos mais jovens, o apoio aos idosos e aos mais fragilizados, o isolamento, o desemprego… Combate sanitário, ajuda solidária, resiliência, criatividade e capacidade de reinvenção tornam-se atributos essenciais dos tempos que vivemos.
 

A realidade destes dias inscrever-nos-á na História, seja pelo modo como afetará a sociedade, as famílias e os indivíduos, seja pelos efeitos económicos que terá nos países, nas empresas e nos trabalhadores.
 

Identificamos com clareza estes cenários de adversidade, mas sabemos que este é, também, um tempo de reforço de humanidade, generosidade e solidariedade. Esta sua Associação, que em breve completará 180 anos de atividade e mutualismo, atravessou alguns dos momentos mais devastadores do século passado, como os dois grandes conflitos mundiais, e essa experiência, traduzida em coesão e resiliência, dá-nos a segurança de afirmar que venceremos esta guerra contra o novo coronavírus e o seu rasto disruptivo.
 

Os associados, as pessoas, os portugueses, são a nossa razão de ser. Por isso, suportados numa base de 600 mil cidadãos e abertos à adesão de todos os outros, garantimos a adoção, em todas as empresas do Grupo Montepio, de um conjunto alargado de medidas orientadas aos associados, aos clientes e, também, às estruturas da economia social, setor em que nos movemos.
 

Entre as decisões tomadas, destaque para a aplicação rápida de mecanismos como a disponibilização, pelo Banco Montepio, de soluções de crédito às famílias, de uma linha de curto prazo para apoio às necessidades imediatas de tesouraria de micro, pequenas e médias empresas, ou o desenvolvimento de uma linha de financiamento dirigida às instituições particulares de solidariedade social (IPSS).
 

As medidas de apoio acionadas por cada empresa do nosso Grupo têm sido amplamente comunicadas, facilitando informação clara e disponibilidade total para, à distância, serem garantidas respostas às necessidades da nossa comunidade de associados e clientes. Centro, por isso, esta mensagem nas decisões já tomadas pela sua Associação.
 

No que se refere à comunidade de associados, o Conselho de Administração deliberou a adoção, numa dimensão interna e operacional, logo após a declaração do Estado de Emergência, de medidas que garantem respostas próximas e dedicadas à comunidade de associados, através dos canais à distância, da rede de gestores mutualistas e dos balcões do Banco Montepio, que se encontram aptos a esclarecer as suas questões e a corresponder às suas necessidades. Entre estas medidas, destaque para:

    • A concessão de moratórias, sem qualquer penalização, até 31 de dezembro, a todos os associados que observem atrasos em qualquer quota/modalidade, incluindo as prestações de Empréstimos a Associados;
    • A simplificação na realização de novos empréstimos aos associados que deles necessitem, evitando-se, desta forma, o recurso a mobilizações antecipadas com perda do respetivo rendimento;
    • A aceitação de atrasos no pagamento de rendas habitacionais de imóveis da Associação Mutualista, alargando os prazos de moratória face ao que a lei prevê e concedendo reduções de renda aos associados elegíveis.
      No que se refere aos demais inquilinos de imóveis desta Instituição, foi deliberada a aceitação de prazos mais alargados que os previstos na lei para as moratórias de arrendamentos comerciais;
    • O apoio ao projeto implementado pela Associação abem: Dignitude – Programa Emergência abem: Covid-19, tendo em vista a entrega domiciliária de medicamentos aos associados em situação de maior vulnerabilidade, que não reúnam condições para sair de casa, muitos dos quais com doenças crónicas, e que necessitam da toma de medicamentos em circunstâncias adequadas que permitam o não agravamento da sua doença.

 

 
Na esfera da Economia Social, foram implementadas medidas como sejam:

    • A criação de linha de crédito, através do Banco Montepio, para apoio à tesouraria das associações mutualistas afetadas pela crise;
    • A oferta, pela Lusitania Seguros, de Seguro de Acidentes Pessoais às IPSS que desenvolvem ações de voluntariado no âmbito da pandemia COVID 19;
    • O apoio, mediante reforço de dotação financeira, à iniciativa implementada pela Associação Portuguesa de Mutualidades/RedeMut e pela Confederação Nacional de Instituições de Solidariedade (CNIS) e destinada a responder às dificuldades com que muitas instituições de solidariedade se deparam na aquisição urgente de equipamento de proteção individual destinado aos seniores, pessoas com deficiência ou em situação de sem-abrigo. Através desta iniciativa foi possível a doação de máscaras cirúrgicas, luvas, aventais descartáveis, garrafões de álcool gel, fatos impermeáveis e batas impermeáveis;
    • A doação de cinco ventiladores a entidades da economia social e outras, desenvolvidos por investigadores portugueses da CEIIA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento, associação sem fins lucrativos, e produzidos pela indústria nacional.

 
 

No que se refere à Comunidade em Geral, foi também assegurada:

    • A oferta de camas em residências Montepio ainda não inauguradas (Lisboa – Entrecampos e Albergaria-a-Velha), para utilização pela Segurança Social no quadro da pandemia;
    • Um donativo à EPAN – Rede Europeia Anti Pobreza, que permitiu a aquisição de kits de prevenção e proteção COVID 19 destinados a famílias em situação de maior vulnerabilidade;
    • A adesão ao Programa Criar Futuro – Movimento Portugal Entra Em Cena, projeto que conta com o suporte institucional do Ministério da Cultura, no sentido da criação de um ponto de encontro entre artistas e empresas num momento em que estes cidadãos vivem uma situação de paragem na sua atividade, com impacto, por vezes dramático, na redução ou adiamento das suas fontes de rendimento.

 
 

Outras medidas estão em preparação, visando a resposta pronta às situações de carência identificadas ou que venham a identificar-se. É da sustentabilidade do próprio país que falamos e, na qualidade de maior associação portuguesa, não deixaremos de dizer Presente!
 

Sabemos que o país vai continuar a atravessar tempos desafiantes em termos sociais e económicos, mas estaremos juntos na construção das respostas, na redefinição dos caminhos e na execução dos projetos estratégicos que se revelarem necessários. Somos uma Associação experiente e preparada ‒ não deixaremos de estar ao seu lado e ao lado dos portugueses.
 

Juntos, somos futuro. E também esta certeza nos torna fortes.

 
 

Virgílio Boavista Lima

Presidente da Associação Mutualista Montepio e do Grupo Montepio