4 cenários que podem mudar a vida da sua família

4 cenários que podem mudar a vida da sua família
20 minutos de leitura
FOTOGRAFIA Getty Images
20 minutos de leitura

Vidas interrompidas precocemente, acidentes incapacitantes ou desemprego prolongado. Há cenários que ninguém gosta de colocar, mas os imprevistos acontecem. O que fazer se o pior acontecer? Entre numa máquina do tempo e saiba como proteger a sua família nas próximas décadas, caso o inesperado lhe bata à porta.

Costuma dizer-se que bastam alguns segundos para a vida mudar. No dia 25 de abril de 2019, Miguel Castro acordou às 6h00 para treinar, como fazia tantas vezes. Estava a preparar-se para participar numa competição internacional da modalidade de Full Iron Man – uma prova desportiva composta por 3,8 quilómetros de natação, 180 quilómetros de ciclismo e 42 quilómetros de corrida – e tinha combinado encontrar-se com os colegas às 7h00 na praia de Caxias, para treinar a transição da água para a bicicleta.

O dia era de chuva e o mar estava agitado. “A dedicação era tanta que não me demoveu”, recorda o atleta. Enquanto nadava e fazia a transição para a areia, o inesperado aconteceu: foi enrolado por uma onda e bateu com a cabeça no chão, causando-lhe uma compressão medular. “Não desmaiei, mas fiquei logo sem me mexer. Tiveram de ser os meus colegas a tirar-me da água.”

Passo a passo até à recuperação

Foi imediatamente operado e o diagnóstico não tardou: Miguel estava tetraplégico e havia a probabilidade de não voltar a mexer-se. Seguiram-se seis semanas de internamento no Hospital Egas Moniz a fazer fisioterapia intensa e de onde, contra todas as expectativas, saiu a dar os primeiros passos. Os sete meses seguintes foram passados no Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão. “O meu corpo reagiu bem devido à memória muscular que tinha, e começou a acordar aos poucos. Quando saí de Alcoitão já conseguia andar com a ajuda de canadianas.”

Cerca de nove meses depois do acidente, era momento de enfrentar a nova realidade. O atleta teve de regressar a casa dos pais, de quem passou a estar dependente, pois precisava de ajuda para realizar todas as ações do dia a dia, até as mais simples. “Precisava de ajuda para me vestir, ir à casa de banho, tomar banho, comer, até para me coçar”, lembra.

No entanto, determinado a não se deixar vencer pela condição de tetraplégico, Miguel continuou a trabalhar na sua recuperação e, passados dois anos, já consegue fazer 95% da sua vida normal. “As mãos ainda estão um pouco atrasadas e não consigo trabalhar, mas já vou a ginásios, comecei a nadar, a andar de bicicleta, consigo cozinhar, visto-me, conduzo… já faço muitas coisas mas ainda me canso”.

Miguel Castro

“Neste momento estou de baixa, logo não recebo o ordenado por inteiro. Sem o apoio dos meus pais e se não tivesse poupado a vida toda, estaria numa situação muito complicada”

4 cenários de que ninguém está à espera

Apesar de ninguém gostar de pensar em cenários de vida disruptivos e negativos, histórias como as de Miguel Castro, que tinha uma vida estável até ao dia do acidente, há muitas. Estas são as quatro situações que podem trocar-lhe as voltas à vida e colocar em causa a estabilidade financeira da sua família.

 

1. Acidente incapacitante ou doença prolongada

Tal como aconteceu a Miguel Castro, há acidentes que podem deixá-lo incapacitado para trabalhar e, consequentemente, receber rendimentos, temporária ou definitivamente. Uma situação desta natureza, tal como uma doença prolongada, além de afetar a sua saúde física e emocional, pode prejudicar a segurança financeira da sua família. Basta pensar em todas as despesas mensais, como prestações de créditos, contas fixas ou a mensalidade da escola dos filhos, que dependem do seu salário.

 

2. Desemprego de longa duração

Perder o emprego, seja qual for a razão, é profundamente impactante, em particular se for inesperado. Além de representar um abalo emocional, tem impacto direto nas finanças pessoais. Para a maioria das pessoas, perder o emprego também significa um corte profundo nos seus meios de subsistência, ou seja, a capacidade de sustentar a família. Uma situação que tende a agravar-se quanto mais tempo durar o desemprego.

 

3. Ausência ou perda de rendimentos mensais

Em 2020, a pandemia gerada pelo Covid-19 chegou sem aviso prévio e deixou muitas pessoas em situação financeira precária. Entre trabalhadores que estiveram vários meses em lay-off, pais que deixaram de trabalhar para cuidar dos filhos enquanto as escolas estiveram encerradas, negócios temporariamente suspensos e outros que fecharam definitivamente portas, muitos foram os portugueses que viram os seus rendimentos mensais reduzidos por força de circunstâncias incontroláveis. Para as famílias que não têm uma almofada financeira à qual recorrer em momentos de emergência, esta situação pode ser bastante disruptiva.

 

4. Morte 

Pensar na própria morte ou na de um familiar próximo não é fácil, mas é um tópico importante. O que aconteceria às suas finanças e aos seus bens? Em que situação económica ficariam os seus familiares? A sua ausência pode comprometer a segurança financeira de quem fica, em particular se tem crianças em idade escolar.

Proteção Outros Encargos

Quem vai garantir a educação dos seus filhos?

Ver produto

3 passos para prevenir o imprevisto

O que fazer quando o inesperado nos bate à porta e nos vira a vida do avesso? Para Miguel a resposta está na prevenção. Apesar de nunca lhe ter passado pela cabeça que um acidente pudesse roubar-lhe a mobilidade e a capacidade de trabalhar, o atleta tinha uma almofada financeira que foi acumulando ao longo da vida de trabalho. “Neste momento estou de baixa, logo não recebo o ordenado por inteiro. Sem o apoio dos meus pais e se não tivesse poupado a vida toda, estaria numa situação muito complicada. Teria que pedir ajuda ao Estado e já sabemos como isso é.”

1. Faça um fundo de emergência
O primeiro passo para se preparar para um evento inesperado é ter um fundo de emergência sólido que cubra, no mínimo, seis meses de despesas fixas (créditos, contas mensais e outras prestações fixas). Por exemplo, se as despesas fixas mensais do seu agregado familiar forem de 1 000 euros, o fundo de emergência deverá conter, no mínimo, 6 000 euros. Deste modo, as contas da sua família ficam salvaguardadas se perder rendimentos temporariamente devido a uma situação de desemprego, lay-off, doença ou incapacidade temporária.

2. Tenha uma solução de proteção
Um produto que garanta que, em caso de acidente que o incapacite para o trabalho ou na eventualidade da sua morte, a família consegue manter os compromissos financeiros e a qualidade de vida. É um cenário pouco agradável no qual pensar, mas é um dos passos mais importantes que pode dar pelo futuro daqueles de quem mais gosta, principalmente se tem filhos a seu cargo. A perda de rendimentos de um dos pais compromete a estabilidade financeira de toda a família no presente, mas também pode colocar em causa a concretização de metas futuras, como a educação universitária.

3. Estabeleça um orçamento de emergência
É importante ter um plano B para a sua vida caso ocorra um corte inesperado nos rendimentos. Um orçamento de emergência é uma ferramenta importante para o ajudar a enfrentar uma crise financeira e cortar em todas as despesas desnecessárias, mantendo apenas as essenciais. Lembre-se de que é uma emergência, é temporário e, quanto melhor controlar o seu dinheiro, mais depressa a balança volta a equilibrar-se.