Santarém: redescobrir o passado da cidade à beira-Tejo plantada

Santarém: redescobrir o passado da cidade à beira-Tejo plantada
5 minutos de leitura
FOTOGRAFIA Getty Images
5 minutos de leitura

Apoiado pela Associação Montepio e pela Lusitania – Companhia de Seguros, o livro que retrata a história de Santarém deixa pistas para o futuro da cidade. Conheça os motivos por detrás da sua publicação e, se é Associado Montepio, saiba como receber um exemplar.

Poucas cidades portuguesas têm uma história tão rica como Santarém. Local estratégico em termos militares, económicos e religiosos, a sua ocupação é milenar, ininterrupta e de grande importância no contexto nacional. Razão mais do que suficiente para que as memórias da cidade, antigas e mais recentes, fossem reunidas em livro.

“Faltava uma obra que fosse um livro de história da cidade, mas também fizesse uma crítica do que deverá ser a cidade no futuro”, explica Armando Leal Rosa, presidente da Associação Mais Santarém e um dos responsáveis pela publicação de Santarém: Rumo e Itinerário Histórico – 150 anos de cidade. Com coordenação científica e editorial de Jorge Custódio e Joaquim Duarte, o livro tem 408 páginas e conta com a colaboração de cerca de vinte autores, entre historiadores e investigadores. Tendo como pano de fundo a elevação de Santarém a cidade, o que aconteceu no final de 2018, a obra inspira-se no passado para semear sementes de futuro.

“Este livro pretende ser uma obra de exaltação à cidade, à sua história e aos rostos das gentes que nela viveram – e há 3 000 anos que Santarém é habitado. É uma tentativa de inovação, de reescrever a história da cidade através de um modelo crítico sobre a realidade contemporânea e um recurso à proposta de livre reflexão por parte dos leitores”, continua Armando Leal Rosa.

Santarém rumo e itinerário histórico

Com 408 páginas, o livro foi lançado no final de 2020 pela Associação Mais Santarém

O que pode consultar neste livro?

Dividido por 20 capítulos, e temas que vão dos antigos étimos da cidade à Santarém medieval, disponibiliza ainda três seções que vão prender os leitores às suas páginas: uma lista de 66 figuras ilustres da cidade (ver caixa), uma tábua cronológica com 1 200 registos e uma lista de património classificado da cidade. José Manuel Garcia, Vítor Serrão, Luísa Teixeira Barbosa, José Manuel Noras ou Carlos Matos Gomes são alguns dos nomes que contribuíram para os textos do livro – todos com ligação à cidade de Santarém.

“É a primeira vez que esta lista é feita”, regozija Armando Leal Rosa. Segundo o responsável, a obra não teria visto a luz do dia sem o apoio da Associação Mutualista Montepio e da seguradora Lusitania. “O papel de ambas foi imprescindível. Além do patrocínio, o apoio da Associação Montepio e da Lusitania deram à publicação um cunho de credibilidade”, concluiu.

O livro teve uma primeira edição de 750 exemplares e pode ser adquirido no site da Associação Mais Santarém, nas livrarias Costa e Lápis e no quiosque Amarelo, em Santarém. Está também disponível na Wook.

Se é Associado Montepio e gostaria de obter um exemplar, saiba que temos 10 para oferecer. Para tal, basta enviar-nos um email para revistamontepio@montepio.pt, indicando o seu nome e número de Associado e partilhando uma sua memória sobre a cidade de Santarém. Os 10 primeiros associados recebem um exemplar da obra.

Uma cidade de figuras ilustres

De Alexandre Herculano a Passos Manuel, de Mário Viegas a Almeida Garrett, do Infante Santo a Estácio de Sá, o militar português que fundou o Rio de Janeiro, Santarém foi terra de nascimento e passagem de alguns dos nomes mais importantes de Portugal. O livro Santarém: Rumo e Itinerário Histórico – 150 anos de cidade inclui uma breve biografia de 66 rostos da história de Santarém. Uma homenagem às mulheres e homens que construíram a cidade, levaram o seu nome além-fronteiras e contribuíram para o bem-estar e qualidade de vida dos seus habitantes, mas também uma inspiração para as novas gerações de escalabitanos recolocarem a sua cidade no mapa das cidades mais importantes de Portugal.