Está à espera de bebé? Saiba como funciona a baixa por gravidez de risco

Complicações médicas com a gravidez? Neste artigo explicamos-lhe tudo o que deve saber sobre a baixa por gravidez de risco e o respetivo subsídio.
Artigo atualizado a 29-10-2021
Baixa por gravidez de risco

Durante os nove meses de gravidez podem surgir complicações que acarretam riscos para o bebé, a mãe ou ambos. Diabetes, hipertensão, anomalias no útero e na placenta, gravidez tardia e abortos espontâneos anteriores são alguns fatores que podem levar a uma gravidez de risco. Uma situação que pode incapacitar temporariamente a mulher para trabalhar. Neste caso, a grávida tem direito à baixa por gravidez de risco pelo tempo recomendado pelo médico. Durante esta licença, beneficia de um apoio financeiro da Segurança Social.

O que é a baixa por gravidez de risco?

É uma licença atribuída a trabalhadoras que, por motivo de gravidez de risco, se encontrem impedidas de exercer a sua atividade profissional. Com vista a substituir o rendimento de trabalho perdido, é atribuído o chamado subsídio por risco clínico durante a gravidez.

Quem tem direito ao subsídio?

Têm acesso ao subsídio por risco clínico durante a gravidez as gestantes que sejam:

  • Trabalhadoras por conta de outrem a descontar para a Segurança Social, incluindo as do serviço doméstico. No caso de suspensão ou cessação do contrato, pode ser concedido o subsídio por risco clínico durante a gravidez. Mas para isso é necessário que não tenham decorrido mais de seis meses seguidos sem descontos entre a data da suspensão ou cessação do contrato e a data da atribuição deste apoio.
  • Trabalhadoras independentes, a recibos verdes, ou empresários em nome individual, a descontarem para a Segurança Social.
  • Beneficiárias do seguro social voluntário que trabalhem em navios de empresas estrangeiras ou o sejam bolseiras de investigação.
  • Beneficiárias do subsídio de desemprego ou subsídio social de desemprego.
  • Beneficiárias de pensão de invalidez relativa, ou pensão de velhice ou pensão de sobrevivência e com registo de descontos para a Segurança Social.
  • Trabalhadoras na pré-reforma, em situação de redução de prestação de trabalho.
  • Trabalhadoras no domicílio.

Quais as condições de atribuição?

Para se ter direito ao subsídio por risco clínico durante a gravidez é necessário cumprir alguns requisitos, a saber:

Ter declaração médica

É necessário apresentar uma declaração médica que certifique a gravidez de risco, com indicação do tempo considerado necessário para prevenir o risco. A baixa por gravidez de risco tem de ser passada por um médico do Sistema Nacional de Saúde (SNS). Se a grávida estiver a ser acompanhada por um médico privado, deve pedir a este profissional uma declaração médica que indique a necessidade de repouso por motivo de gravidez de risco e a duração do impedimento para o trabalho. Este documento deve depois ser entregue ao médico de família, a quem cabe passar a declaração de gravidez de risco válida.

Pedir dentro do prazo

O subsídio deve ser pedido nos seis meses a contar do primeiro dia da baixa por gravidez de risco. Após este prazo, e caso esteja a decorrer o período de concessão, este é reduzido pelo tempo correspondente ao atraso;

Cumprir o prazo de garantia

No dia em que inicia o gozo da baixa por gravidez de risco, a trabalhadora tem de ter trabalhado e descontado durante seis meses (seguidos ou não) para a Segurança Social ou outro sistema de proteção social, nacional ou estrangeiro, desde que não se sobreponham.

Para a contagem dos seis meses consideram-se os períodos de registo de remunerações noutros regimes de proteção social, nacionais ou estrangeiros, desde que não se sobreponham, que abranjam esta modalidade de proteção, incluindo o da função pública.

Se a grávida for trabalhadora independente, ou estiver abrangida pelo regime do seguro social voluntário, deve ter as contribuições para a Segurança Social pagas até ao fim do terceiro mês imediatamente anterior ao mês em que deixa de trabalhar por motivo de gravidez de risco.

E se a trabalhadora não tiver o prazo de garantia exigido? Nesse caso, pode ter acesso ao subsídio social por risco clínico durante a gravidez. Isto, se preencher a condição de recursos, exigida às pessoas em situação de carência económica.

Qual o valor do subsídio?

O valor do subsídio por risco clínico durante a gravidez corresponde a 100% da remuneração de referência (RR), que é igual à média de todas as remunerações declaradas à Segurança Social nos primeiros seis meses dos últimos oito meses anteriores ao mês em que começa o impedimento para o trabalho excluindo os subsídios de férias, Natal e outros da mesma natureza).

No caso de não haver seis meses de descontos na Segurança Social e o direito ao subsídio ser reconhecido por terem sido considerados períodos de descontos noutros regimes obrigatórios de Segurança Social, nacionais ou estrangeiros, a remuneração de referência é igual ao total das remunerações registadas, excluindo os subsídios de férias, de Natal e outros de natureza análoga, até ao dia anterior ao impedimento a dividir por 30 vezes o número de meses com remunerações registadas com descontos.

Como se calcula a remuneração de referência?

A remuneração de referência calcula-se dividindo o total das remunerações registadas nos primeiros seis dos últimos oito meses sem contar com os subsídios de férias, Natal e outros análogos (R) por 180. Ou seja: RR = R/180.

Se não houver seis meses de descontos na Segurança Social e o direito ao subsídio for reconhecido por terem sido considerados períodos de descontos noutros regimes obrigatórios de Segurança Social, nacionais ou estrangeiros, a remuneração de referência determina-se da seguinte forma: RR = R/(30 x n), em que ”n” corresponde ao número de meses com remunerações registadas com descontos.

Nota: Nas situações em que os beneficiários residam nas regiões autónomas o montante do subsídio é acrescido de 2%.

Existe um valor mínimo?

Sim. A lei estabelece um limite mínimo por dia igual a 80% de 1/30 do Indexante dos Apoios Sociais (IAS). Em 2021, o teto mínimo diário é igual a 11,70 euros, tendo em conta o valor do IAS nesse ano (438,81 euros).

Qual o período de concessão da baixa por gravidez de risco?

A baixa por gravidez de risco pode ser atribuída pelo tempo que o médico considere necessário.

Note-se que estes dias não contam nem são descontados nos dias de licença parental a que a grávida tenha direito depois de o bebé nascer.

Onde requerer o subsídio?

O subsídio por risco clínico durante a gravidez pode ser solicitado através de três vias:

  • Segurança Social Direta (é necessário ter uma senha de acesso.
  • Serviços de atendimento da Segurança Social.
  • Correio, para o centro distrital da área da residência do beneficiário.

Que documentos são necessários?

Devem ser entregues os seguintes documentos:

  • Requerimento de risco clínico durante a gravidez (Modelo RP5051–DGSS).
  • Certificação médica que indique o período de impedimento para o trabalho.
  • Documento da instituição bancária comprovativo do IBAN, para que o pagamento seja efetuado por transferência bancária. Caso não seja enviado, o pagamento será realizado por cheque não à ordem.

Se a certificação médica for emitida pelos serviços competentes do SNS – centros de saúde ou hospitais – através de formulário próprio (CIT), não é necessário entregar o requerimento.

Ler mais

Este artigo foi útil?

Lamentamos saber. Deixe-nos a sua sugestão de como melhorar?(opcional)

  • Guia de “Pequenas Grandes Poupanças”

    Os seus filhos sabem poupar?

    Ninguém nasce ensinado a poupar, mas pode aprender desde o berço. O novo guia de “Pequenas Grandes Poupanças” ajuda os pais e educadores a falarem com os mais jovens sobre dinheiro. O futuro agradece.

    Ler o guia

Lorem ipsum dolor sit amet. Para o seu filho, é possível que a literacia financeira seja como este texto: latim. Não tem que ser assim. Para celebrar o Dia Mundial da Poupança, a Associação Montepio disponibiliza um guia para os jovens pouparem à grande.

Pequenas Grandes Poupanças: um guia para ler e ensinar

A primeira interação com as moedas, os mealheiros, a mesada, as compras por impulso, a pressão dos amigos, a poupança para o carro, para a casa, para a faculdade… uff. A relação do seu filho com o dinheiro constrói-se ao longo do tempo. Saiba, neste guia, como apoiá-lo neste processo.

Guia da Poupança

Poupança Complementar Jovem

Esta poupança cresce com o seu filho. Subscreva-a ainda hoje e prepare o futuro da sua família.

Qual a idade do seu filho?

Uma criança de 5 anos tem estímulos e comportamentos diferentes de um adolescente. Por isso, o guia está dividido em seis faixas etárias, cada uma com os seus desafios.

0-4 anos

0 aos 4 anos

Os fundamentos da educação financeira do seu filho começam aqui, assim como a primeira poupança, após o nascimento.

5-7 anos

5 aos 7 anos

De onde vem o dinheiro? Chegou o momento de responder a esta pergunta típica das crianças.

8-10 anos

8 aos 10 anos

O método dos três mealheiros vai ajudar os pré-adolescentes a gerirem melhor o dinheiro e a serem solidários.

11-13 anos

11 aos 13 anos

O desejo de comprar acentua-se com a pressão dos pares. Mas há sinais e formas de contornar esta ameaça.

14-16 anos

14 aos 16 anos

As primeiras contas entre receitas e despesas estão prontas a fazer. E é altura, também, de supervisionar a conta bancária.

17-18 anos

17 aos 18 anos

A caminho da faculdade, as oportunidades para fazer crescer a poupança aumentam. Mas é preciso ter atenção às despesas.

O seu filho ou educando é menor de 18 anos? Este guia essencial é o primeiro passo para uma vida financeiramente saudável.

Descontos

Zoo de Lisboa

Zoo de Lisboa

Leya Online

LeYa Online

Happy Code

Happy Code

Ginásios de Educação Da Vinci

Ginásios Da Vinci

Wall Street Institute

Wall Street English

Montepio U Live

Montepio U Live

Mantenha-se informado/a