Subsídio de férias: 6 respostas às dúvidas mais comuns

Se tem dúvidas sobre como se calcula o subsídio de férias ou quando é que este valor extra é pago, este artigo é para si.
Artigo atualizado a 05-01-2022

O subsídio de férias, também conhecido como o 14.º mês, é pago a trabalhadores e pensionistas. O direito a este pagamento extra está previsto no artigo 264.º do Código de Trabalho. Se tem dúvidas sobre como se calcula ou quando é pago, continue a ler este artigo.

1. Quem tem direito a receber subsídio de férias?

Têm direito a subsídio de férias aqueles que sejam:

  • Trabalhadores por conta de outrem, ou seja, com contrato.
  • Funcionários públicos.
  • Reformados e pensionistas

De fora, ficam os trabalhadores independentes.

2. Quanto se recebe?

No caso dos trabalhadores por conta de outrem, o subsídio de férias compreende o salário base e outras prestações que façam parte da sua retribuição regular.

O que está incluído:

  • Retribuição base
  • Isenção de horário de trabalho
  • Trabalho noturno
  • Trabalho por turnos

O que está excluído:

  • Ajudas de custo
  • Abonos de viagem
  • Subsídio de refeição
  • Subsídio de transporte
  • Subsídio de representação

Para os trabalhadores da função pública, a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas define que o 14.º mês é equivalente a um mês de remuneração base mensal.

No caso dos pensionistas, é igual ao valor da pensão de reforma que recebem.

3. No ano de admissão, o trabalhador tem direito a dias de férias e ao respetivo subsídio?

Sim. O Código do Trabalho determina que, no ano de admissão, os trabalhadores têm direito a dois dias úteis de férias por cada mês de duração do contrato, até ao máximo de 20 dias. Mas só podem gozá-los seis meses após o início do contrato. Se a duração do contrato de trabalho for inferior a seis meses, são atribuídos dois dias úteis de férias por cada mês completo de duração do contrato.

No ano em que se começa a trabalhar numa empresa, há ainda direito a subsídio de férias, proporcional aos meses trabalhados. O cálculo é efetuado tendo em conta o salário e o tempo de trabalho prestado. Para calcular o valor a receber, utiliza-se a seguinte fórmula:

Subsídio de férias = ( (Valor Bruto x 12 meses) / (40 horas semanais x 52 semanas) ) x 8 horas x 2 dias x número de meses trabalhados

4. Quando é que é pago?

O Código do Trabalho determina que, “salvo acordo escrito em contrário, o subsídio de férias deve ser pago antes do início do período de férias e proporcionalmente em caso de gozo interpolado de férias”. Tal significa que este valor deve ser pago à medida que vai gozando férias. No entanto, a maioria das empresas paga o 14.º mês de uma só vez, num dos meses de verão.

Para os trabalhadores da função pública, o valor é pago por inteiro no mês de junho. Já os pensionistas recebem o subsídio de férias no mês de julho.

 

5. Em caso de baixa médica, perde-se o direito aos dias de férias e ao subsídio?

Não. Caso a baixa médica tenha início e fim no mesmo ano civil, não perde o direito aos 22 dias úteis de férias e ao subsídio de férias. De acordo com o artigo 244.º do Código do Trabalho, “o gozo das férias não se inicia ou suspende-se quando o trabalhador esteja temporariamente impedido por doença ou outro facto que não lhe seja imputável, desde que haja comunicação do mesmo ao empregador”. Nesta situação, o trabalhador pode gozar as férias quando regressar ao trabalho, após o final da baixa. O mesmo aplica-se aos funcionários públicos.

6. O subsídio de férias está sujeito a IRS e a descontos para a Segurança Social?

Sim. O subsídio de férias está sujeito a IRS e descontos para a Segurança Social.  No caso do IRS, o valor é objeto de retenção autónoma, não podendo, para cálculo de imposto a reter, ser adicionado às remunerações dos meses em que são pagos.

Ler mais

Este artigo foi útil?

Lamentamos saber. Deixe-nos a sua sugestão de como melhorar?(opcional)

< Voltar à página de Descontos

Goldenergy

Opte por eletricidade 100% verde e, até 31 de janeiro de 2022, beneficie de 14% de desconto no consumo de eletricidade e/ou gás natural.

Na Goldenergy, comercializadora portuguesa de eletricidade 100% verde e de gás natural, e marca n.º 1 da Escolha do Consumidor 2021 na categoria "Energias 100% Renováveis", a energia de sempre custa menos do que nunca.
Desconto
  • Campanha especial até 31 de janeiro de 2022: desconto de 12% (Campanha Goldenergy em vigor) + 2% (exclusivo associados) no consumo de eletricidade e/ou gás natural, mediante utilização de um código promocional. Peça já o seu código no formulário em baixo. Para associados

Desconto válido para novas adesões, mas também para clientes Goldenergy que pretendam aderir ao tarifário exclusivo para associados Montepio.

Outras vantagens:

  • Eletricidade com garantia de origem 100% renovável.
  • Via verde no processo de mudança: <7 dias na mudança de comercializador.
  • Fique com a Goldenergy apenas se tiver satisfeito.

 

Apoio ao Cliente: Contacto e apoio ao cliente | Goldenergy

 

Notas:

  • Oferta válida para clientes particulares/residenciais;
  • Oferta válida para o agregado familiar direto;
  • O desconto incide sobre o consumo de eletricidade e/ou gás natural, exceto valores fixos e demais taxas e impostos;
  • Sem interrupção de fornecimento, no processo da mudança não irá ficará sem eletricidade nem gás natural;
  • Não necessita contactar o seu atual comercializador, a Goldenergy assegurará todo o processo;
  • Sem burocracia ou visitas técnicas (apenas em algumas situações de contratos de Gás, poderá ser necessária uma inspeção técnica por segurança, também tratada pela Goldenergy);
  • Processo de adesão online (Linha de Apoio 800 500 292).

Tem dúvidas?