Entregar o IRS em conjunto ou em separado: o que compensa mais?

Saiba, neste artigo, se é mais vantajoso para si entregar o IRS em conjunto ou em separado.
Artigo atualizado a 17-08-2022

Os contribuintes casados ou unidos de facto são tributados, em regra, separadamente. No entanto, se for mais vantajoso, estes casais podem optar pela tributação conjunta. Para saber se compensa mais entregar o IRS em conjunto ou em separado é fundamental conhecer as regras destes dois regimes de tributação, e fazer algumas contas. Explicamos tudo em seguida.

IRS em conjunto ou em separado

Como funciona a tributação conjunta e a tributação separada?

Na tributação separada, cada cônjuge ou unido de facto apresenta uma declaração de IRS com os seus rendimentos e, se for o caso, metade dos rendimentos auferidos pelos dependentes do agregado familiar. Na declaração, devem constar ainda as despesas do próprio e metade das dos dependentes.

Por sua vez, na tributação conjunta, os cônjuges ou unidos de facto entregam uma única declaração, na qual devem constar os rendimentos e as despesas de todos os membros do agregado familiar.

Qual compensa mais?

A tributação conjunta é, em regra, vantajosa quando um dos elementos do casal aufere rendimentos significativamente mais elevados do que o outro, ou quando um deles não tem qualquer rendimento.

A explicação reside em dois fatores. O primeiro fator prende-se com a progressividade, por escalões de rendimento, das taxas de IRS. Nesta lógica de progressividade, as taxas crescem mais do que proporcionalmente à medida que se avança nos escalões, como mostra a tabela abaixo.

EscalãoRendimento coletávelTaxa normal Taxa média
1.º Até 7 116 €14,5%14,50%
2.º De mais de 7 116 € até 10 736 €23%17,37%
3.º De mais de 10 736 € até 15 216 €26,5%20,06%
4.º De mais de 15 216 € até 19 696 €28,521,98%
5.º De mais de 19 696 € até 25 076 €35%24,77%
6.º De mais de 25 076 € até 36 757 €37%28,66%
7.º De mais de 36 757 € até 48 033 €43,5%32,00%
8.º De mais de 48 033 € até 75 009 €45%36,77%
9.º Superior a 75 009 €48%

O segundo fator tem que ver com a forma de cálculo do chamado rendimento coletável. É este rendimento que determina o escalão de IRS e as taxas a aplicar.

O rendimento coletável obtém-se subtraindo ao rendimento bruto anual as deduções específicas aplicáveis e dividindo, depois, essa diferença pelo quociente familiar, em que cada cônjuge ou unido de facto vale 1. Pois é precisamente o quociente familiar que faz toda a diferença, pois permite que o rendimento coletável seja dividido por dois, traduzindo-se, portanto, em menos IRS.

Exemplo

Vejamos então, com um exemplo, de que forma a progressividade das taxas do IRS e o cálculo do rendimento coletável podem tornar a tributação conjunta mais vantajosa quando há diferenças significativas de rendimentos entre os elementos de um casal.

Imaginemos um casal em que ambos os cônjuges tenham recebido apenas rendimentos do trabalho dependente, tendo um deles auferido 20 000 euros brutos anuais e o outro 50 000 euros brutos anuais.

IRS em separado

Cônjuge 1

Rendimento bruto anual = 20 000 €
Dedução específica = 4 104 €
Rendimento coletável = Rendimento bruto anual – dedução específica = 20 000 € – 4 104 € = 15 896 €

O rendimento coletável de 15 896 euros enquadra-se no quarto escalão, ao qual corresponde uma taxa normal de 28,5%.

Coleta de IRS = Rendimento coletável x Taxa normal – Parcela a abater = 15 896 € x 28,5% – 1 284,99 € = 3 245,37 €

Este cônjuge teria assim uma coleta de IRS de 3 245,37 euros.


Cônjuge 2

Rendimento bruto anual = 50 000 €
Dedução específica = 4 104 €
Rendimento coletável = Rendimento bruto anual – dedução específica = 50 000 € – 4 104 € = 45 896 €

O rendimento coletável de 45 896 euros enquadra-se no sétimo escalão, ao qual corresponde uma taxa normal de 43,5%.

Coleta de IRS = Rendimento coletável x Taxa normal – Parcela a abater = 45 896 € x 43,5% – 5 455,84 € =  14 508,92 €

Este cônjuge teria assim uma coleta de IRS de 14 508,92 euros.

Conclusão

Se o casal optasse pela entrega do IRS em separado, teria assim uma coleta conjunta de 17 754,29 euros.

 

IRS em conjunto

Casal

Rendimento bruto anual = 20 000 € + 50 000 € = 70 000 €
Dedução específica = 4 104 € + 4 104 € = 8 208 €
Rendimento coletável = (Rendimento bruto anual – Deduções específicas) : Quociente familiar = 70 000 € – 8 208 € : 2 = 30 896 €

O rendimento coletável de 30 896 euros enquadra-se no sexto escalão, ao qual corresponde uma taxa normal de 37%.

Coleta de IRS = Rendimento coletável corrigido x Taxa de IRS – Parcela a abater x Quociente familiar = 30 896 € x 37% – 3 066,79 € x 2 = 16 729,46 €

Conclusão

Se o casal optasse por entregar o IRS em conjunto, teria assim uma coleta de 16 729,46 euros. Desta forma, pouparia 1 024,83 euros, face à entrega em separado.

Que outros elementos devem ser analisados?

Embora, normalmente, compense entregar o IRS em conjunto quando existe maior disparidade de rendimentos entre os elementos do casal, há sempre que atender à situação concreta do agregado familiar.

É necessário ter em conta, por exemplo, a natureza dos rendimentos obtidos. Os rendimentos não são todos tributados do mesmo modo. Existem rendimentos sujeitos a taxas especiais ou liberatórias, embora com opção pelo englobamento. Outros rendimentos são obrigatoriamente englobados. Portanto, não basta somar os rendimentos do casal.

Além disso, na tributação conjunta, se um dos elementos do casal optar por englobar uma determinada categoria de rendimentos (rendas, por exemplo), o outro terá de fazer o mesmo se tiver esse tipo de rendimentos.

Dica

A decisão de entregar o IRS em conjunto, ou em separado, deve sempre ser baseada em simulações prévias.

Simule a entrega da declaração de IRS com a tributação conjunta e a tributação separada. Só assim poderá saber qual a modalidade mais vantajosa. Os minutos que “perde” a simular podem poupar-lhe centenas ou milhares de euros.

Como optar pela entrega do IRS em conjunto?

Na declaração de IRS normal, a opção pela tributação conjunta é efetuada no quadro 5A do Rosto.

Entregar IRS em conjunto ou separado

No caso do IRS automático, a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) disponibiliza três declarações: duas para a tributação separada (uma para cada elemento do casal) e outra para a tributação conjunta. Para optar pela entrega do IRS em conjunto basta escolher a declaração respetiva.

Ler mais

Mais sobre

Impostos , IRS

Este artigo foi útil?

Se ficou com dúvidas ou tem uma opinião que deseja partilhar, preencha o formulário abaixo para entrar em contacto connosco.

FROTA SOLIDÁRIA

O seu gesto
faz a diferença

Uma forma de investir na sociedade sem custos

A Fundação Montepio promove, desde 2008, a mobilidade, a inclusão e o combate ao isolamento e à desertificação através do projeto Frota Solidária. Uma prática de responsabilidade social que consiste na aquisição, transformação e adaptação de viaturas, oferecidas a IPSS de todo o País, destinadas a ajudar quem mais necessita.

Ao preencher a sua Declaração de IRS Modelo 3, inscreva o NIPC 503 802 808 no Quadro 11 do Rosto, e garanta que 0,5% do seu IRS liquidado coloca mais carrinhas no bom caminho. Se utilizar a Declaração de IRS automática também pode ajudar quem mais necessita. Desde 2009, a Frota Solidária já permitiu a oferta de 248 viaturas a instituições de todo o País e assegurou a devolução de cerca de 4,3 milhões de Euros à sociedade civil.

 

Como contribuir

O princípio é simples e sem custos adicionais, pois é retirado diretamente do IRS de cada contribuinte. A Fundação Montepio, instituição de solidariedade social beneficiária da Consignação Fiscal, recebe os valores consignados e aplica-os na aquisição, transformação e adaptação de viaturas que oferece a instituições de solidariedade social de todo o País.

 

Declaração IRS | Modelo 3 – Rosto – Quadro 11

Declaração IRS Automática

Frota solidária em números

Frota solidária

Frota solidária

Frota solidária

Frota solidária

Quem estamos a apoiar

Frota Solidária: Crianças

Crianças

O objetivo de apoiar projetos de intervenção centrados nas crianças e jovens tem sido prioritário na ação da Fundação Montepio. Nesse propósito, têm vindo a ser acarinhadas estruturas que desenvolvem trabalho orientado à promoção do acolhimento de indivíduos privados de meio familiar normal e à atuação em áreas não beneficiadas por apoios estatais.
Frota Solidária para idosos

Idosos

Por reconhecer a multiplicidade de necessidades que afetam a sociedade portuguesa, a Fundação Montepio tem vindo a desenvolver trabalho no sentido de reforçar o apoio à população idosa, mas também de promover as melhoria das condições de prestação de cuidados aos mais vulneráveis.
Frota solidária para a mobilidade

Portadores de deficiência

Também os cidadãos portadores de deficiência têm merecido a participação ativa da Fundação Montepio. Para ir ao encontro das especificidades destes públicos, a Fundação assegura iniciativas e desenvolve projetos de parceria orientados à melhoria das estruturas de apoio aos utentes, a formação dos quadros de pessoal ou capacitação dos dirigentes.
Frota Solidária para população carenciada

População carenciada

As relações de cooperação que a Fundação Montepio estabelece com outras organizações e a proximidade que tem vindo a fomentar com outras entidades da economia social justificam o forte apoio nos domínios da solidariedade, promoção de saúde e educação, mas também as incursões feitas nos domínios da intervenção comunitária e do incentivo ao voluntariado e ao associativismo.