< Voltar à página de Pais e Professores

10 dicas para o seu filho brilhar nos trabalhos escolares

O seu filho tem dificuldade em fazer os trabalhos escolares? Neste artigo, encontra dicas de um professor do ensino secundário que o ajudarão nesta tarefa e a conseguir boas notas.

Adolescente na biblioteca a consultar um livro

Como ter sucesso nos trabalhos escolares

1. Escolher bem o tema

Este é o “primeiro e decisivo passo para o sucesso dos trabalhos escolares”, alerta o professor do ensino secundário Pedro Viana. O seu filho deve certificar-se de que percebeu bem o tema sugerido.

Se tiver hipótese de escolher, deve optar por um assunto que lhe interesse e desperte curiosidade. Nem sempre aquilo que interessa a uma pessoa, interessa às outras. Se tiver dúvidas, “perguntar antes a um ou dois colegas para perceber a sua reação pode dar boas pistas”, aconselha o professor. Depois, deve evitar o caminho mais fácil.

“Os temas da atualidade e que geram controvérsia são bons porque levam à discussão e à argumentação”, defende Pedro Viana. “Surpreender todos com um tema original e invulgar pode levar a um resultado espetacular. Só que, atenção, também pode correr muito mal”, comenta. Ser arrojado implica assumir riscos, por isso o seu filho deve preparar-se para todo o tipo de reações.

2. Pesquisar fontes

Para existir rigor nos trabalhos escolares é preciso saber selecionar as fontes. “Aconselho sempre sites ‘credíveis’ (de instituições públicas, privadas, científicas ou fundações) e que têm um domínio próprio, contacto, endereço físico. Estas são pistas que normalmente indicam que aquelas instituições são reais e não apenas sites de curiosos anónimos”, explica Pedro Viana. Outros sites “carregam já em si um  certo prestígio e credibilidade. Se o seu filho visualizar um vídeo sobre Os Maias no site da Fundação Eça de Queirós, as informações contidas, em princípio, estão corretas”, exemplifica o professor.

O seu filho não deve citar a Wikipedia. Mas sim habituar-se a ver quem foi responsável por colocar a informação na “enciclopédia que qualquer um pode editar” e a consultar as notas de rodapé, que remetem para a fonte original da informação. Pelo caminho, deve também tomar atenção aos gráficos e às imagens, notícias ou reportagens que possam constituir bom material de trabalho.

3. Selecionar a informação

Depois da “viagem” anterior pelo tema, o seu filho deve escolher três ou quatro fontes credíveis e concentrar-se nesse material. Pode imprimir o que gostar, sublinhar e tomar notas.

4. Organizar a pesquisa

O passo seguinte é selecionar a informação que vai utilizar, ao mesmo tempo que estrutura o seu trabalho. Nesta fase, o seu filho pode imaginar que está a contar uma história ou que vai dar uma aula a alguém que nunca ouviu falar do tema.

5. Definir a estrutura

A exigência do professor vai depender do nível em que o seu filho se encontra. Mas mesmo na ausência de indicações específicas (número de páginas, por exemplo), é bom que, desde cedo, se habitue a organizar os trabalhos escolares de acordo com as melhores práticas académicas.

Assim, o trabalho deve conter:

  • Uma capa, com o título do trabalho e nome do autor, bem como o nome da disciplina e data de realização;
  • Um índice;
  • Uma introdução, onde se deve explicar, em linhas muito breves, o que se pretende com o trabalho;
  • Textos de desenvolvimento organizados por capítulos ou entretítulos;
  • Uma conclusão, com uma súmula dos factos e da interpretação da informação;
  • Indicação da bibliografia/webgrafia, incluindo o nome do autor e a citação do artigo ou livro
de onde foi retirada a informação, bem como
 o nome da publicação ou editora, data 
e nome do texto/artigo e do jornal/revista. No caso de publicações online, deve ser indicado o site e o endereço url.

6. Acrescentar informação suplementar

Esta pode ser uma forma de o seu filho enriquecer o trabalho sem tornar os textos demasiado extensos e sem correr o risco de se dispersar. Sempre que fizer sentido, pode fazer referência, no texto, a documentos anexos: imagens, gráficos ou textos de imprensa.

7. Rever o trabalho

Às vezes custa voltar ao início. Mas erros ortográficos, frases sem sentido, gralhas tipográficas e outros lapsos são mesmo de evitar. E não, não são apenas os professores de Português que estão atentos.

8. Pensar na apresentação

Vale a pena fazer um Powerpoint? O seu filho consegue fazer um pequeno teatro a partir do trabalho? A criatividade e a originalidade são sempre avaliadas numa apresentação e o céu é o limite para a imaginação do aluno desde que, claro, a objetividade não seja afetada (atenção ao tamanho da letra e ao excesso de texto nos slides).

“Se o trabalho for apresentado oralmente, deixo como opção o software Prezi, um programa que permite criar e editar diapositivos, mas com um grau de interatividade completamente diferente do tradicional Powerpoint. Na hora da apresentação, o seu filho vai impressionar”, garante Pedro Viana.

9. Gerir o tempo

“Uma dica para gerir bem o tempo e a qualidade da apresentação é fazer simulações sozinho ou para alguns colegas”, sugere Pedro Viana. Assim, o seu filho evita problemas técnicos que podem pôr em causa a sua apresentação (o vídeo que não arranca, por exemplo). E, além disso, pode gravar o treino para ficar com uma noção de como se está a sair. O seu filho nunca deve limitar-se a ler o que está nos slides. É igualmente importante falar pausadamente e com à-vontade. Despachar a apresentação nunca dá bons resultados. Para saber quanto tempo vai demorar a apresentação, pode usar um cronómetro.

10. Promover a auto e heteroavaliação

Se sobrar tempo, pode dedicar os minutos finais ao esclarecimento de dúvidas ou debate. Também pode incluir alguma espécie de heteroavaliação, ou seja, colocar os outros a avaliá-lo. Mas deve falar com o professor antes.

Se seguir à risca estas dicas na realização dos trabalhos escolares, o seu filho vai impressionar os professores e os colegas.

Ler mais

Saiba mais sobre

Educação

0

Comentários

Comentários

Os comentários podem ser editados por questões de clareza e para permitir respostas mais gerais.