8 dicas para se proteger nos dias de frio

Conheça, neste artigo, conselhos úteis para se proteger do frio e, assim, minimizar o aparecimento de complicações de saúde associadas à exposição a temperaturas baixas.
Artigo atualizado a 10-11-2022

O conforto térmico não é um ponto forte do parque habitacional português. Em 2019, um estudo europeu revelou que Portugal era o quarto país mais pobre da Europa no que diz respeito à energia doméstica. Além de causar desconforto, sentir frio pode resultar em falta de concentração, limitar o aproveitamento escolar e provocar o surgimento de problemas de saúde. Assim, é importante seguir medidas simples para garantir a temperatura ideal do organismo.

Meses de maior frio: quais são?

Em Portugal, o inverno decorre entre dezembro e março, sendo janeiro e fevereiro os meses de frio mais intenso. Ainda assim, o país é caraterizado por um clima ameno. As temperaturas mais baixas da história nacional são de 16 graus negativos nas Penhas da Saúde (Serra da Estrela), a 5 e 12 de fevereiro de 1954 e 1956, respetivamente. Mas estes foram dias excecionais. Em 2021, as temperaturas mínimas no mês mais frio situaram-se entre os 0 ºC (Bragança) e os 14 ºC (Funchal).

Quais as consequências do frio excessivo para a saúde?

Normalmente, a expressão “morrer de frio” não deve ser levada à letra. No entanto, as baixas temperaturas estão associadas a uma maior taxa de mortalidade e ao surgimento de doenças causadas por vírus, bactérias e fungos, sobretudo na população com mais de 65 anos. A Organização Mundial de Saúde destaca a relação entre as temperaturas baixas e a maior morbilidade respiratória e cardiovascular. Para que o organismo funcione corretamente e saiba defender-se, a temperatura corporal deve situar-se entre os 36 ºC e os 37 ºC.

8 dicas para combater o frio

Agora que já reconhece o frio como um inimigo da saúde, siga estas oito recomendações para passar um inverno mais ameno e seguro:

1. Não espere pelo inverno para preparar a casa

É comum adiar vestir um bom casaco ou preparar a casa para os dias de temperaturas reduzidas. No entanto, as medidas de proteção contra o frio devem ser tomadas com antecedência, até por razões económicas. Se tiver de comprar equipamentos para climatizar a casa, fazê-lo no pico do frio vai prejudicar a sua carteira: por norma, sai mais caro adquirir um aquecedor ou lenha no inverno do que no verão. Por outro lado, é durante o outono ou mesmo no verão que deve verificar se os equipamentos estão em perfeito funcionamento ou se precisam de manutenção. Se tem uma lareira, assegure que a chaminé está limpa antes da primeira utilização.

2. Invista no isolamento

A entrada e saída de ar através de orifícios ou frechas nas portas e janelas é uma das razões mais comuns para o arrefecimento das casas portuguesas. Assim, embora arejar os espaços seja importante, se detetar aberturas em portas e janelas, trate de as calafetar antes da chegada do frio.

3. Mantenha uma temperatura ambiente amena

Nos espaços interiores, a temperatura do ar deve situar-se entre os 19 ºC e os 22 ºC, recomenda a Direção-Geral da Saúde (DGS). Por isso, é essencial tomar medidas para que a temperatura não desça, de modo a controlar a salubridade e o conforto do lar.

4. Evite sair de casa

Se está prevista uma descida acentuada da temperatura, saia de casa o quanto antes para se abastecer dos bens de primeira necessidade, como alimentos e medicamentos. Desta forma, não terá de se deslocar nos momentos de maior frio, já que tem em casa tudo o que necessita.

5. Se sair, agasalhe-se bem

Se ainda assim tiver de sair, escolha as horas do dia com as temperaturas mais altas (normalmente entre as 13 e as 15 horas) e agasalhe-se bem. Vista-se por camadas e proteja a cabeça, os pés e as mãos com particular cuidado. Ao mesmo tempo, evite usar roupas justas, já que “dificultam a circulação sanguínea”, como salienta a DGS.

6. Pratique exercício físico

Praticar exercício físico aumenta a produção de calor e promove uma melhor circulação do sangue. Ainda assim, nos dias de maior frio, deve evitar o exercício físico muito intenso, especialmente ao ar livre. A par desta atividade, faça pequenos movimentos com as mãos, braços, pés e pernas ao longo do dia, de modo a manter a temperatura corporal regulada.

7. Aumente a sua resistência ao frio

Apesar de ser importante manter-se quente, existe um truque para aumentar a tolerância do corpo ao frio. O método passa por expô-lo a baixas temperaturas, de forma controlada. Eis uma forma de o fazer, aconselhada pela DGS: após tomar um banho quente, passe o corpo por água fria. Vá aumentando o tempo de banho frio, à medida que se for acostumando.

8. Alimente-se várias vezes ao dia

No inverno, encurte o espaço de tempo entre as refeições. É uma medida que contribui para melhorar o metabolismo e ajuda a regular a temperatura do corpo. Do mesmo modo, ingerir sopas e bebidas quentes com frequência é uma excelente opção. Ao contrário do que se possa pensar, as bebidas alcoólicas não são a melhor solução para o frio, já que “provocam vasodilatação com perda de calor e arrefecimento do corpo”, informa a DGS.

Ler mais

Este artigo foi útil?

Se ficou com dúvidas ou tem uma opinião que deseja partilhar, preencha o formulário abaixo para entrar em contacto connosco.

Torne-se Associado

Saiba mais