IRS: até quando é que os filhos são considerados dependentes?

Um filho com mais de 18 anos de idade pode ser considerado dependente para efeitos de IRS? Neste artigo, esclarecemos esta e outras dúvidas sobre os dependentes no IRS.
Artigo atualizado a 29-10-2021
dependentes

O IRS contempla quatro configurações de agregados familiares e todas elas incluem sujeitos passivos e dependentes. Assim, temos famílias compostas por:

  • Cônjuges ou unidos de factos e seus dependentes.
  • Separados, viúvos ou divorciados e seus dependentes.
  • Pai ou mãe solteiros e dependentes a seu cargo.
  • Adotante solteiro e dependentes a seu cargo.

Se relativamente a quem são os sujeitos passivos não há grandes dúvidas – sendo aqueles a quem compete dirigir o agregado familiar, de acordo com o artigo 13.º do Código do IRS (CIRS). O mesmo não acontece em relação aos dependentes. A dúvida mais frequente prende-se com a idade limite para ser considerado dependente.

Quem são considerados dependentes no IRS?

A resposta está também no artigo 13.º do CIRS. Assim, são considerados dependentes:

  • Filhos, adotados e enteados menores não emancipados ou sob tutela.
  • Filhos, adotados e enteados maiores, desde que não tenham mais de 25 anos de idade nem recebam anualmente mais de 14 salários mínimos (8 890 euros no IRS de 2020, a entregar em 2021).
  • Filhos, adotados e enteados maiores inaptos para o trabalho e para angariar meios de subsistência.
  • Afilhados civis.

Quem não são considerados dependentes no IRS?

Não são considerados dependentes:

  • Menores emancipados.
  • Filhos, adotados e enteados que completem 26 anos de idade.
  • Filhos, adotados e enteados que, atingindo a maioridade – isto é, 18 anos – recebam mais de 14 salários mínimos.

Os dependentes podem pertencer a mais de um agregado familiar?

Os dependentes não podem, simultaneamente, fazer parte de mais de um agregado familiar.

Em caso de divórcio – ou separação – com guarda conjunta, os dependentes devem integrar:

  • O agregado familiar do progenitor a que corresponder a morada determinada no acordo de regulação do exercício das responsabilidades parentais.
  • O agregado familiar do progenitor com o qual tenham tido identidade de domicílio fiscal no último dia do ano a que se refere o imposto, se não tiver sido fixada uma residência em tribunal.

Contudo, os dependentes em regime de guarda conjunta podem ser incluídos no IRS de ambos os progenitores, para efeitos de imputação de rendimentos e de despesas dos próprios.

Como podem ajudar a poupar no IRS?

Os dependentes conferem um desconto no IRS das respetivas famílias por via das deduções à coleta. Por exemplo, é possível deduzir um valor fixo por cada dependente. No IRS de 2021, a entregar em 2022, essa dedução fixa corresponde a:

  • 600 euros, se o dependente tiver mais de três anos de idade.
  • 726 euros, se o dependente tiver menos de três anos de idade.

Os agregados familiares podem ainda abater ao seu imposto um conjunto de despesas dos seus dependentes através das deduções de saúde, educação, dedução do IVA pela exigência de fatura e pensões de alimentos.

Como se associam ao agregado familiar?

A associação ao agregado familiar é efetuada, preferencialmente, no Portal das Finanças, até dia 15 de fevereiro do ano seguinte ao que se refere o imposto. Eis os passos que deve dar:

  1. Entre no Portal das Finanças e clique na opção “Finanças – Aceda aos serviços tributários”.
  2. No menu no lado esquerdo do ecrã, clique em “Serviços”.
  3. Percorra a lista de serviços apresentada por ordem alfabética até à letra “D” e, na opção “Dados pessoais relevantes”, pressione em “Comunicar agregado familiar”.
  4. Introduza o seu NIF e a sua senha de acesso ao Portal das Finanças.
  5. Autentique todos os elementos do agregado familiar que existiam até à data de 31 de dezembro do ano a que respeita o imposto, colocando as respetivas senhas de acesso ao Portal das Finanças.
  6. Se faltar algum dependente que tenha pertencido ao agregado no ano a que refere o imposto, clique em “Adicionar dependente” e indique o respetivo NIF.
  7. Autentique o novo dependente com a respetiva senha de acesso ao Portal das Finanças e depois indique o tipo de dependência (“Afilhado civil”, “Dependente” ou “Dependente em guarda conjunta”). Caso assinale “Dependente em guarda conjunta”, deve indicar ainda quem exerce as responsabilidades parentais, o NIF da pessoa com quem partilha a guarda conjunta, qual o agregado que integra o dependente, a percentagem na partilha de despesas e se existe residência alternada.
  8. Clique em “Fechar modo de edição”.
  9. Avance, clicando no botão “Seguinte” no canto superior direito do ecrã.
  10. Finalmente, atualize a habitação permanente do agregado familiar (os dados pedidos constam na caderneta predial, que está acessível no Portal das Finanças) e carregue no no botão “Submeter”.

Tome nota

Os dependentes podem ainda ser acrescentados ao agregado familiar na declaração de rendimentos (Modelo 3), no momento da entrega do IRS. Tenha atenção que não é possível fazê-lo no IRS Automático. Quem estiver abrangido pelo IRS Automático e precisar de adicionar dependentes, tem de prescindir deste automatismo e entregar o IRS pela via normal – isto é, através da Modelo 3.

Ler mais

Mais sobre

Família , IRS

Este artigo foi útil?

Lamentamos saber. Deixe-nos a sua sugestão de como melhorar?(opcional)

  • Guia de “Pequenas Grandes Poupanças”

    Os seus filhos sabem poupar?

    Ninguém nasce ensinado a poupar, mas pode aprender desde o berço. O novo guia de “Pequenas Grandes Poupanças” ajuda os pais e educadores a falarem com os mais jovens sobre dinheiro. O futuro agradece.

    Ler o guia

Lorem ipsum dolor sit amet. Para o seu filho, é possível que a literacia financeira seja como este texto: latim. Não tem que ser assim. Para celebrar o Dia Mundial da Poupança, a Associação Montepio disponibiliza um guia para os jovens pouparem à grande.

Pequenas Grandes Poupanças: um guia para ler e ensinar

A primeira interação com as moedas, os mealheiros, a mesada, as compras por impulso, a pressão dos amigos, a poupança para o carro, para a casa, para a faculdade… uff. A relação do seu filho com o dinheiro constrói-se ao longo do tempo. Saiba, neste guia, como apoiá-lo neste processo.

Guia da Poupança

Poupança Complementar Jovem

Esta poupança cresce com o seu filho. Subscreva-a ainda hoje e prepare o futuro da sua família.

Qual a idade do seu filho?

Uma criança de 5 anos tem estímulos e comportamentos diferentes de um adolescente. Por isso, o guia está dividido em seis faixas etárias, cada uma com os seus desafios.

0-4 anos

0 aos 4 anos

Os fundamentos da educação financeira do seu filho começam aqui, assim como a primeira poupança, após o nascimento.

5-7 anos

5 aos 7 anos

De onde vem o dinheiro? Chegou o momento de responder a esta pergunta típica das crianças.

8-10 anos

8 aos 10 anos

O método dos três mealheiros vai ajudar os pré-adolescentes a gerirem melhor o dinheiro e a serem solidários.

11-13 anos

11 aos 13 anos

O desejo de comprar acentua-se com a pressão dos pares. Mas há sinais e formas de contornar esta ameaça.

14-16 anos

14 aos 16 anos

As primeiras contas entre receitas e despesas estão prontas a fazer. E é altura, também, de supervisionar a conta bancária.

17-18 anos

17 aos 18 anos

A caminho da faculdade, as oportunidades para fazer crescer a poupança aumentam. Mas é preciso ter atenção às despesas.

O seu filho ou educando é menor de 18 anos? Este guia essencial é o primeiro passo para uma vida financeiramente saudável.

Descontos

Zoo de Lisboa

Zoo de Lisboa

Leya Online

LeYa Online

Happy Code

Happy Code

Ginásios de Educação Da Vinci

Ginásios Da Vinci

Wall Street Institute

Wall Street English

Montepio U Live

Montepio U Live

Mantenha-se informado/a