Despesas de educação: saiba o que pode deduzir no IRS

Conheça todas as despesas de educação que pode deduzir ao seu IRS, e o que deve fazer para aproveitar ao máximo este benefício fiscal. Explicamos tudo neste artigo.
Artigo atualizado a 30-01-2023

As despesas de educação dos filhos têm um peso importante no orçamento familiar. Mas é possível recuperar parte destes custos através do IRS. Em causa está a dedução à coleta de educação e formação, que permite descontar ao imposto diversas despesas escolares. Mensalidades de colégios, manuais escolares, explicações e rendas de alojamentos são alguns exemplos. Continue a ler este artigo e saiba que despesas “entram” na dedução de educação e formação e os cuidados a ter para serem aceites.

Quanto se pode deduzir em despesas de educação?

Em regra, as despesas de educação são dedutíveis à coleta do IRS em 30% do seu valor, com o limite de 800 euros, por agregado familiar. Na tributação separada, o limite é de 400 euros.

No entanto, os agregados familiares com estudantes inscritos em estabelecimentos de ensino localizados no interior do país, ou nas Regiões Autónomas, beneficiam de uma majoração de 10 pontos percentuais sobre as despesas de educação suportadas.

Já os agregados familiares com estudantes inscritos em estabelecimentos de ensino localizados a mais de 50 quilómetros da sua residência permanente e a viverem em imóveis arrendados usufruem de uma elevação do limite dedutível, de 800 euros para 1 000 euros. Mas apenas se a diferença, isto é, 200 euros, for referente a despesas com o arrendamento. No máximo, as despesas com rendas de imóveis de estudantes deslocados dão direito a uma dedução de 300 euros.

Exemplos

Estudante 1

Está inscrito num estabelecimento de ensino em Lisboa, mas não está deslocado, pois continua a residir com o agregado familiar. Assumindo despesas de educação de 2 000 euros, o agregado familiar pode deduzir 600 euros (30% x 2 000 euros) à sua coleta do IRS.

Estudante 2

Está inscrito num estabelecimento de ensino em Lisboa e deslocado. Para poder estudar arrendou uma habitação. Imaginando que as despesas de educação totalizam 5 600 euros, incluindo 3 600 euros de despesas de rendas de imóveis, o agregado familiar pode deduzir 900 euros, dos quais 300 euros são referentes a despesas de rendas de imóveis.

Estudante 3

Está deslocado na Covilhã (considerado território do interior), tendo arrendado uma habitação para poder frequentar o estabelecimento de ensino, deixando, por este motivo, de residir com o agregado familiar. Se as despesas de educação totalizarem 4 400 euros, incluindo 2 400 euros de despesas de rendas de imóveis, o agregado pode deduzir 960 euros, dos quais 300 euros são referentes a despesas de rendas de imóveis. Na tabela abaixo apresentamos os cálculos com mais detalhe.

Localização do
Est. de Ensino
Tipo de
estudante
Despesas
(excluindo rendas)
Despesas
com rendas
Cálculo do valor
dedutível
Dedução
final
Estudante 1LisboaNão
deslocado
2 000 €0 €30% de 2 000 € = 600 €600 €
Estudante 2LisboaDeslocado2 000 €3 600 €30% de 2 000 € = 600 €
+
30% de 3 600 €=
1 080 €
600 €
+
300 €
Estudante 3Covilhã
(território do
Interior)
Deslocalizado2 000 €2 400 €30% de (2 000 € x 1,1) =
264 €
+
30% de (2 400 € x 1,1) =
792 €
660 €
+
300 €

Que despesas de educação se podem deduzir?

As despesas de educação que se podem deduzir à coleta do IRS estão listadas no artigo 78.º – D do Código do IRS. Incluem os seguintes pagamentos:

  • Creches, jardins-de-infância, lactários, escolas, estabelecimentos de ensino e outros serviços de educação;
  • Manuais e livros escolares;
  • Arrendamento de quartos ou casas a estudantes deslocados;
  • Refeições em cantinas escolares.

Apesar de não estarem especificadas no referido artigo, são ainda dedutíveis como despesas de educação os seguintes pagamentos:

  • Ensino de línguas, música, canto e teatro;
  • Explicações particulares;
  • Salas de estudo e Atividades de Tempos Livres (ATL).

Regras das despesas de educação

Para que as despesas de educação possam ser contabilizadas na dedução de educação e formação devem cumprir algumas regras. Assim, é necessário que estejam isentas de IVA ou sujeitas à taxa reduzida de IVA (6%). Devem ainda constar de faturas, faturas-recibo ou recibos comunicados à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT). Estes documentos têm de ser emitidos por estabelecimentos inscritos num dos seguintes códigos de atividade económica (CAE):

  • Secção P, classe 85 – educação;
  • Secção G, classe 47610 – comércio a retalho de livros, em estabelecimentos especializados;
  • Secção G, classe 88910 – atividades de cuidados para crianças sem alojamento;

São igualmente aceites faturas, faturas-recibo ou recibos emitidos por profissionais inscritos na AT com os códigos de atividade:

  • 1312 (amas);
  • 8010 (explicadores);
  • 8011 (formadores);
  • 8012 (professores);
  • 8013 (professores ou educadores artísticos).

Relativamente às despesas de rendas de imóveis de um estudante deslocado, o jovem deve:

  • Celebrar um contrato de arrendamento, ou subarrendamento, com menção de que se destina a estudante deslocado;
  • Exigir a emissão de recibo de renda eletrónico ou fatura-recibo de renda ou outro documento de quitação (se o senhorio estiver dispensado da emissão dos referidos documentos). Em qualquer caso, deve conter a indicação de que se refere a estudante deslocado;
  • Comunicar à AT a sua condição de estudante deslocado. Caso esta condição se mantenha, é necessário comunicá-la anualmente.

Que despesas de educação não se podem deduzir?

Existem despesas que, embora relacionadas com educação e pedidas pelas escolas, não são elegíveis para dedução no IRS na categoria de educação e formação. É esse o caso de bens ou serviços tributados com IVA a 23%. Aqui, inclui-se todo o material escolar adquirido fora das escolas, exceto manuais escolares. Por exemplo, mochilas, cadernos, canetas, dicionários, calculadoras, computadores, vestuário e calçado para a disciplina de educação física, instrumentos musicais e transporte escolar. Existe, no entanto, uma forma de contornar esta regra: adquirindo o material escolar na papelaria da escola.

Quais os cuidados a ter para deduzir as despesas de educação?

Para garantir que as despesas de educação são aceites para dedução à coleta na categoria de educação e formação é necessário solicitar a inclusão do NIF de um dos elementos do agregado familiar nos respetivos comprovativos (faturas, faturas-recibo ou recibos). Os comprovativos de despesas de educação dos filhos podem ter associado o NIF de um dos pais.

É também importante verificar regularmente a página pessoal do e-fatura de cada elemento do agregado familiar.

Recomenda-se ainda guardar todos os comprovativos em papel de despesas de educação até que estas sejam comunicadas à AT, via e-fatura ou através de declarações anuais. Caso essa comunicação não seja efetuada, é necessário inserir, manualmente, as referidas despesas no e-fatura. Nesse caso, os comprovativos têm de ser guardados durante quatro anos, para apresentar numa eventual inspeção.

Ler mais

Mais sobre

Educação , Impostos

Este artigo foi útil?

Se ficou com dúvidas ou tem uma opinião que deseja partilhar, preencha o formulário abaixo para entrar em contacto connosco.

VERÃO é
COM o CLUBE PELICAS!

Conheça todas as atividades preparadas para as suas crianças

Saiba mais

Poupança Complementar Jovem

Esta poupança cresce com os mais novos. Seja para preparar a etapa da universidade, investir em formação, na primeira casa ou no primeiro automóvel, a modalidade mutualista Poupança Complementar Jovem é uma solução que permite constituir uma poupança para as suas crianças com um esforço mensal reduzido e com total flexibilidade.

 

Razões para começar agora

Pode começar a poupar de forma simples

  • Poupar é mais fácil se começar por pequenos passos. Pode subscrever a partir de 100€

Sem comissões de subscrição

  • Não é cobrada qualquer comissão de subscrição quando subscreve o Poupança Complementar Jovem

Flexibilidade no momento do reembolso

  • Se necessitar, aceda ao seu dinheiro a qualquer momento ainda que sujeito a eventuais penalizações sobre o rendimento

O que precisa de saber

Idade de subscrição: Até aos 17 anos (inclusive) Prazo: Sem prazo. Eventuais penalizações no rendimento acumulado de entregas reembolsadas com cinco ou menos anos de antiguidade Valorização anual: Rendimento mínimo acrescido do eventual rendimento complementar aprovado em Assembleia Geral de associados

Interessado? Saiba como começar a poupar

Para subscrever esta modalidade basta:

  • Ser Associado (caso ainda não seja poderá tornar-se de forma simples e rápida) e manter ativo o seu vínculo associativo
  • Definir o montante da entrega mínima inicial, entre 100€ e 500 000€

Como reforçar a sua poupança

Entregas programadas/periódicas:

  • Mensais: 10,00 €
  • Trimestrais: 25,00 €
  • Semestrais: 50,00 €
  • Anuais: 100,00 €
  • Entregas adicionais livres: a partir de 20,00€

Benefícios

  • Acesso direto ao Clube Pelicas e a um mundo de iniciativas e descontos (para associados até aos 10 anos de idade, inclusive)
  • Pode reembolsar entregas com mais de 5 anos de antiguidade sem qualquer penalização no rendimento e no caso do reembolso de entregas com 5 ou menos anos de antiguidade, desde que o respetivo motivo se enquadre nos fins de exceção previstos
  • Capitalização do rendimento gerado, creditado na poupança, e tributado apenas aquando do seu reembolso, podendo vir a beneficiar de tributação apenas sobre parte do rendimento auferido, no caso de reembolso de entregas com antiguidade superior a 5 anos.

Reembolsos

Podem ser efetuados reembolsos em qualquer altura. No momento do reembolso o Associado tem direito ao capital acumulado (capital entregue e respetivo rendimento, deduzido de eventuais reembolsos e penalizações).

A segurança do Mutualismo

As suas contribuições estão em boas mãos com a Associação Mutualista Montepio. Todos os capitais, pensões ou rendas a pagar pela Associação estão garantidos pelo seu ativo. Com 180 anos de experiência na gestão das poupanças, bem como de coberturas por morte, invalidez e longevidade dos portugueses, mais de meio milhão de associados Montepio fazem desta Associação uma referência no setor mutualista e da economia social.

Guia Pequenas Grandes Poupanças

Os seus filhos sabem poupar? Descubra, no nosso guia exclusivo, como falar sobre dinheiro com a geração mais jovem.

A Associação Mutualista Montepio adverte que esta modalidade mutualista não é um depósito bancário, não se encontrando abrangida pelo Fundo de Garantia de Depósitos, nem um seguro ou fundo de investimento ou PPR.

Ler mais

Torne-se Associado

Saiba mais
Mais produtos para si