10 etapas para reduzir os custos de divulgação

Quando pensa na divulgação da sua instituição, imagina a coluna das despesas do seu orçamento a aumentar? Saiba que pode fazê-lo de uma forma económica.

Mudar a imagem, criar um blogue, construir newsletters digitais, desenvolver parcerias ou enviar comunicados de imprensa. Eis algumas abordagens de divulgação. Saiba como implementar estas e outras técnicas promocionais gratuitamente ou com custos reduzidos.

Como reduzir os custos de divulgação da sua organização?

As organizações do setor social nascem da vontade individual dos seus criadores e, na maioria das situações, a sua missão responde a lacunas deixadas pelo Estado nos serviços prestados à população. No entanto, no desempenho da sua atividade deparam-se com um problema de escassez de recursos, o que impede a aposta na visibilidade. A chave para a diferenciação no universo da Economia Social passa por uma gestão mais detalhada e racional dos custos, o que permite uma maior divulgação e, consequentemente, angariação de fundos.

Divulgação (quase) sem custos

1. Defina a missão, a visão e os valores

Antes de partir para a divulgação da sua organização, defina a missão, visão, valores e objetivos da sua organização. Sente-se com os seus colaboradores e discuta os conceitos. Recorram a uma ajuda especializada pro bono, como uma agência, um finalista de marketing ou comunicação. Procure em bolsas de voluntariado. A definição do ADN da sua organização é indispensável para servir de base ao desenvolvimento de uma estratégia de comunicação adequada.

2. Uniformize a imagem da sua organização

Uma das falhas mais comuns no setor social é precisamente a falta de atenção dada à imagem e ao nome da organização. Se o nome da sua instituição não conseguir chegar aos destinatários será difícil difundir a sua mensagem e iniciativa. Recorra a ajudantes pro bono. Um aluno finalista ou uma agência de comunicação com uma atitude ativa em matéria de responsabilidade social poderá rapidamente desenvolver-lhe uma imagem.

3. Crie um blogue ou uma página na Internet

Pode encontrar facilmente ferramentas para a criação de blogues e sítios na Internet. É o caso do WordPress, do Blogger ou do Tumblr. Alimente o blogue ou o site com informações relevantes sobre a sua organização e setor. Divulgue iniciativas e campanhas e publique as notícias que vão surgindo sobre a sua instituição. Para melhorar a visibilidade da sua página nos motores de busca recorra a técnicas de Search Engine Optimization (SEO).

4. Tire partido das redes sociais

O Facebook, o Linkedin, o Youtube, o Google Plus, entre outras redes sociais, permitem-lhe interagir com milhares de stakeholders de uma só vez, pelo que é importante definir uma estratégia de comunicação de acordo com o canal que selecionar. Mantenha o público interessado na sua organização, informando-o sobre as suas atividades. Crie dinâmicas entre o perfil da sua organização e outras plataformas online que utilize. Habitue os seus leitores a visitar o seu perfil sempre que tiver novas ações para divulgar.

5. Chegue à caixa de correio dos stakeholders

As mesmas ferramentas que lhe permitem construir sítios e blogues também poderão ajudá-lo a construir newsletters digitais. Existem ferramentas, algumas gratuitas, que o podem auxiliar nessa tarefa. Pode experimentar o E-goi ou o GetResponse, por exemplo. Analise as várias opções. Mas não sobrecarregue a caixa de correio dos seus leitores, para que as suas mensagens não sejam consideradas spam. Otimize a comunicação com ligações para o seu site ou para os seus perfis nas redes sociais.

6. Desenvolva parcerias

Uma forma indireta de promover a sua organização sem custos é firmar parcerias com outras organizações do setor lucrativo ou não lucrativo. O Minuto Solidário é um exemplo de uma parceria que dá visibilidade e apoia o trabalho de associações e equipas que ajudam a melhorar a vida de outras pessoas. Ao visualizarem os pequenos filmes produzidos, os stakeholders podem escolher a organização que pretendem apoiar. Uma parceria com o Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial (GRACE) também pode funcionar. Esta associação promove a relação entre as organizações do setor social no âmbito da responsabilidade social empresarial.

Tire partido de sítios onde pode fazer a divulgação das suas iniciativas, tais como o Zoom, da Cooperativa António Sérgio para a Economia Social (CASES). Esta plataforma tem como objetivos aumentar o conhecimento entre as organizações, a visibilidade da Economia Social e promover a captação e otimização de recursos.

7. Aproveite a experiência acumulada

“Em equipa vencedora não se mexe”. Se organizar uma ação de sucesso, repita-a, ajustando-a. Dois exemplos paradigmáticos são o peditório público anual da Cáritas e a campanha do Pirilampo Mágico. O pequeno autocolante e a caixa de esmolas com o símbolo da Cáritas identificam a iniciativa. Por seu turno, a campanha do Pirilampo Mágico, promovida desde 1987, mantém-se fiel ao projeto inicial: vender uma “mascote” para angariar fundos e criar respostas sustentadas e de qualidade para a população com deficiência intelectual e/ou multideficiência.

Se desenvolveu uma ação de sucesso na sua organização, não gaste tempo e dinheiro a mudá-la. Ajuste-a.

8. Reutilize materiais

Se precisa de comunicar e a sua organização tem poucos recursos, opte por soluções de baixo custo. Reaproveite, reutilize e recicle materiais.

9. Divulgue comunicados de imprensa

Nesta matéria, entra novamente em campo a ajuda “pro bono”. As agências de comunicação podem ajudá-lo a identificar os meios e jornalistas que acompanham o setor social, a desenvolver uma relação com esses profissionais e a selecionar a informação a transmitir através de comunicados de imprensa. Podem também fazer a ponte para o agendamento de entrevistas e ajudá-lo a preparar as respostas.

10. Distribua os folhetos sem custos

Se tem informação para distribuir na sua área de influência, peça ajuda a voluntários, a familiares e a amigos. E vá para o terreno.

Ler mais

Saiba mais sobre

Associações e IPSS

0

Comentários

Comentários

Os comentários podem ser editados por questões de clareza e para permitir respostas mais gerais.