< Voltar à página de Gestão diária

Carsharing: Como funciona o aluguer de carros entre particulares?

É uma ótima solução para quem vive na cidade, não tem carro e quer movimentar-se, bem como para quem tem um automóvel e quer rentabilizá-lo.

carsharing

O que é o carsharing entre particulares?

É a partilha de veículos entre o proprietário da viatura e o condutor, em modelo peer-to-peer. Funciona da seguinte forma: os proprietários dos veículos disponibilizam o seu automóvel quando não o estão a utilizar e, assim, obtêm rendimento extra. Para disponibilizar o seu carro, basta registá-lo na plataforma (existem várias) desde que cumpra as regras e esperar contactos. Do outro lado, para utilizar essa viatura por um determinado período de tempo, também tem de estar registado na plataforma, reservar e esperar que seja aprovado. Por fim, se for aceite, deve realizar o pagamento da reserva.

4 plataformas de carsharing

As plataformas funcionam de forma bastante semelhante: é preciso ter a app, estar registado e cumprir os requisitos pedidos. Porém, cada uma tem as suas especificidades, especialmente no preço e o que está incluído. Se quer começar a alugar automóveis através do carsharing, conheça quatro plataformas que operam no mercado português.

1. Booking drive

O preço é definido pelo proprietário. Ao preço anunciado, acresce o seguro automóvel, cuja franquia é de 2% ou 4%, consoante o tipo de seguro. Terá de entregar o veículo com o mesmo nível de combustível com que iniciou o aluguer, caso contrário o valor em falta será descontado da caução. A caução tem o valor fixo de 100 euros, que pode ser utilizado em caso de incumprimento de alguma regra de utilização do veículo (reposição de combustível, multas ou portagens). Só alguns veículos é que têm limite de quilómetros.

2. CarAmigo

O preço é definido pelo proprietário e é pago quando o pedido de reserva for aceite. Já inclui a comissão do proprietário, prémio do seguro e assistência rodoviária. O combustível fica a cargo do locatário, mas deve entregar o automóvel com o mesmo nível de combustível com que o encontrou. Pelo preço estipulado pode andar até 100 quilómetros, caso ultrapasse esta barreira terá de pagar um valor por cada quilómetro extra. Este valor é definido pelo proprietário e é debitado da caução. Esta caução (franquia) pode oscilar entre os 500 e 1 250 euros, consoante a potência do automóvel.

3. Shareacar

O preço do aluguer é determinado livremente pelo proprietário. No entanto, a plataforma define valores mínimos por dia, consoante o tipo de carro, que já incluem seguro e a taxa paga pelo proprietário. O combustível não está incluído, pelo que deve devolver o veículo com a mesma quantidade de combustível que tinha no início. A Shareacar cobra uma caução de 100 euros e franquia de 1 230 euros, que são devolvidos no final. Além disso, em caso de atraso, terá de pagar 50 euros por cada hora a mais.

4. Parpe

O valor diário, semanal ou mensal é definido pelo proprietário. No momento da solicitação, a Parpe calcula o valor do aluguer e acrescenta a taxa de seguro referente ao período. Multas de atrasos, combustível ou infrações de trânsito são tratadas isoladamente. O limite de quilómetros é estabelecido entre o proprietário e o condutor. Caso ultrapasse esse limite será cobrada uma taxa adicional de 0,12 euros por cada quilómetro extra.

 

Ler mais

Saiba mais sobre

Orçamento familiar , Poupança

0

Comentários

Comentários

Os comentários podem ser editados por questões de clareza e para permitir respostas mais gerais.