Ato isolado: o que é, obrigações e vantagens

Tem oportunidade de obter um rendimento extra, mas não tem atividade aberta nem pretende fazê-lo? Saiba se pode recorrer ato isolado.
Artigo atualizado a 15-03-2023

Simplicidade. Esta é a principal vantagem do ato isolado, também conhecido como ato único. Se não, vejamos. Dispensa a entrega da declaração de início de atividade junto da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e a inscrição na Segurança Social. Desta forma, o trabalhador independente fica livre de muitas burocracias e encargos associados. Além disso, também pode ficar isento de impostos (IRS e IVA), se reunir as condições para tal.

Neste artigo, esclarecemos as principais dúvidas sobre o ato isolado, através de um guia prático com dez perguntas e respostas, com base em esclarecimentos prestados por uma ex-consultora da Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC), Ana Cristina Silva, e nos códigos do IRS e do IVA.

Para que serve o ato isolado?

O ato isolado destina-se a “receber rendimentos de uma prestação de serviços ou de uma venda comercial que não seja previsível nem se repita e caso não se pretenda os formalismos inerentes ao início de atividade”, explica Ana Cristina Silva.

Por exemplo, um professor que dê uma palestra ou uma formação profissional pode passar um ato isolado para comprovar à prestação desse serviço. Já um jornalista ou um escritor que escreva artigos regulares para uma revista ou um jornal não poderá recorrer ao ato isolado.

Quantos atos isolados se podem emitir por ano?

A este respeito, a redação da lei é ambígua, dando azo a diferentes interpretações. Por um lado, o n.º 3 do art. 3.º do Código do IRS (CIRS) considera “rendimentos provenientes de atos isolados os que não resultem de uma prática previsível ou reiterada”, o que sugere a possibilidade de se emitir mais de um ato isolado por ano, desde que seja inesperado e casual. Por outro lado, a alínea a) do n.º 1 do artigo 2.º do Código do IVA (CIVA) refere-se ao ato isolado como “uma só operação tributável”. Em que ficamos, então?

Reconhecendo que “a definição de ato isolado não é pacífica”, Ana Cristina Silva entende que “o ato isolado corresponde a uma operação comercial ou prestação de serviços que não se repete. Desta forma, se se tratar de uma prática previsível e reiterada, ainda que com caráter esporádico, é obrigatório dar início de atividade”. Assim, conclui, “não é possível praticar mais de um ato isolado num ano”.

Existem, no entanto, outros especialistas que admitem a possibilidade de se emitirem dois atos isolados por ano, desde que não seja à mesma entidade.

Não existindo consenso, em caso de necessidade de emitir mais de um ato isolado, aconselhamos a contactar a AT e pedir esclarecimentos.

Em que caso não é necessário abrir atividade?

Não há lugar abertura de atividade junto da AT se se emitir apenas um ato isolado e de valor inferior a 25 mil euros, de acordo com o n.º 3 do artigo 31.º do CIVA.

Os rendimentos do ato isolado estão sujeitos a IRS?

Em regra, os rendimentos de um ato isolado estão sujeitos a IRS, enquadrando-se na categoria B. Desta forma, este rendimentos devem declarar-se, no ano seguinte, na declaração do IRS.

É obrigatório cobrar IVA?

Sim. A emissão de um ato isolado implica sempre a cobrança de IVA, tipicamente à taxa normal de 23%. Em casos muito específicos, pode cobrar-se IVA à taxa intermédia de 13% ou à taxa reduzida de 6%.

Há, no entanto, exceções, que estão previstas no artigo 9.º do CIVA. A dispensa de cobrança de IVA aplica-se, por exemplo, a prestações de serviços efetuadas por determinados profissionais, como médicos, odontologistas, parteiros, enfermeiros, protésicos, atores, músicos e desportistas.

Após a emissão do ato isolado, o IVA tem de ser liquidado até ao final do mês seguinte ao da conclusão do serviço ou venda, em qualquer serviço de Finanças ou através da guia modelo P2, a emitir no Portal das Finanças.

É necessário fazer retenção na fonte?

Depende. Se for um ato isolado de venda de bens, não há obrigação de retenção na fonte. Se for outra prestação de serviços, já pode haver lugar ao pagamento adiantado de IRS. Nesse caso, aplica-se a taxa de retenção na fonte correspondente à atividade que gerou os rendimentos. No artigo 101.º do CIRS estão previstas as várias taxas de retenção na fonte que se aplicam aos rendimentos do ato isolado, que variam entre 11,5% e 25%.

No entanto, se os rendimentos do ato isolado não ultrapassarem 15 000 euros por ano, há dispensa de retenção na fonte do IRS, exceto se forem provenientes de comissões por intermediação na celebração de quaisquer contratos, como prevê a alínea a) do n.º 1 do artigo 101.º – B.

Como se emite um ato isolado?

O ato isolado emite-se eletronicamente, no Portal das Finanças. Existem três tipos de documentos disponíveis: fatura-recibo, fatura e recibo. Se a prestação do serviço ou realização da venda coincidir com o pagamento, deve emitir-se uma fatura-recibo. Caso contrário, emite-se uma fatura e o respetivo recibo (após o pagamento).

Como declarar os rendimentos do ato isolado no IRS

Os rendimentos do ato isolado declaram-se no anexo B da declaração do IRS Nesse anexo, preenchem-se os seguintes quadros:

1 – Escolher a opção 2 (relativa ao ato isolado).

2 – Indicar o ano a que respeitam os rendimentos (já deve estar pré-preenchido).

3 – Assinalar o código de atividade relativo ao ato isolado.

4-A – Declarar o valor dos rendimentos (sem IVA) no respetivo campo.

6 – Colocar o valor da retenção na fonte de IRS (se tiver sido o caso).

13 – Voltar a declarar o valor dos rendimentos no campo N. Se houver rendimentos de atos isolados de anos anteriores, devem ser indicados no campo N-1 (um ano antes) e no campo N-2 (dois anos antes). Se não existirem, esses dois campos devem preenchidos com zeros.

Em que situação pode haver dispensa de apresentação da declaração do IRS e do respetivo anexo B?

Estão dispensados de apresentar a declaração do IRS e o respetivo anexo B os contribuintes que realizem atos isolados de valor inferior a quatro vezes o valor do Indexante dos Apoios Sociais (IAS), ou seja, 2 037,04 euros (em 2024), segundo a alínea b), do n.º 2, do artigo 58.º do CIRS. Mas para tal, é necessário que não aufiram outros rendimentos ou apenas recebam rendimentos tributados pelas taxas liberatórias previstas no artigo 71.º do CIRS, por exemplo, juros de depósitos bancários. Para além disso, “não podem optar pela tributação em conjunto”, como indica Ana Cristina Silva

Em face do exposto, um trabalhador dependente ou pensionista que emita um ato isolado tem sempre de apresentar a declaração do IRS e incluir os respetivos rendimentos no anexo B, seja qual for o valor.

Quanto se paga de IRS?

No apuramento do IRS, há dois aspetos a considerar: a forma como é calculado o rendimento tributável (sujeito a imposto) e como este é tributado.

Cálculo do rendimento tributável

Para o cálculo do rendimento coletável aplicam-se as regras do regime simplificado da categoria B. Neste regime, o rendimento tributável é calculado com base na aplicação de um coeficiente, que funciona como uma dedução automática, fazendo com que o imposto incida apenas sobre uma parte do rendimento obtido e não sobre a totalidade. A parte que fica livre de imposto é considerada como despesa necessária para a prestação do serviço ou realização da venda comercial. Daí, no regime simplificado, não ser possível deduzir quaisquer despesas.

Tributação do rendimento tributável

A tributação do rendimento tributável é feita por englobamento. Por outras palavras, o rendimento do ato isolado sujeito a imposto é somado aos rendimentos de outras categorias do agregado familiar que eventualmente existam, como salários, sendo tributado à taxa normal de IRS aplicável à totalidade dos rendimentos.

Exemplo

Imagine-se um professor de inglês, solteiro, sem filhos, que, em 2024, receba 28 000 euros brutos em salários e que emita um ato isolado pela tradução de um evento no valor de 1 230 euros (1 000 euros de valor base e 230 euros de valor de IVA).

Para saber quanto pagará de IRS, o primeiro passo é verificar qual o coeficiente aplicável ao serviço de tradução. Neste caso, é 0,75.

Depois, apura-se o rendimento tributável, multiplicando o coeficiente (0,75) pelo rendimento base (1 000 euros). Obtém-se assim a quantia de 750 euros.

Em seguida, faz-se o englobamento. Isto é, soma-se o rendimento tributável (750 euros) aos restantes rendimentos (28 000 euros), perfazendo 28 750 euros.

Segue-se o apuramento do escalão e da respetiva taxa de IRS. Para tal, é necessário determinar o rendimento coletável, subtraindo ao rendimento total (28 750 euros) a dedução específica aplicável ao trabalho dependente (4 104 euros). Chega-se a um rendimento coletável de 24 646 euros, que se enquadra no quinto escalão do IRS (mais de 21 321 euros até 27 146 euros), ao qual corresponde uma taxa normal de 32,75%. É esta taxa que se aplicará aos 750 euros do ato isolado.

 

Este artigo tem por base as regras do ato isolado aplicáveis em 2024.

Ler mais

Os conteúdos do blogue Ei – Educação e Informação não dispensam a consulta da respetiva informação legal e não configuram qualquer recomendação.

Mais sobre

IRS , IVA

Este artigo foi útil?

Se ficou com dúvidas ou tem uma opinião que deseja partilhar, preencha o formulário abaixo para entrar em contacto connosco.

Esta poupança é ideal para si. Sonhe com a próxima viagem, a aquisição de uma casa ou de um automóvel. Seja qual for o objetivo a modalidade mutualista Poupança Complementar acompanha as diferentes fases da vida, permitindo entregas livres ou periódicas e garantindo flexibilidade no reembolso. Mesmo que a sua vida mude, poderá realizar todos os projetos.

O rendimento mínimo da modalidade corresponde à média diária para um período de 1 ano de taxa de referência do BCE, deduzida de 0,6 p.p. A taxa mínima em cada ano não pode ser negativa nem superior a 1,5%.

* Corresponde à média diária calculada para o período de 1 ano, findo a 31 dez., da taxa de referência do BCE (Refi) deduzida de 0,6 p.p.. A taxa mínima em cada ano civil não pode ser negativa nem superior a 1,5%.

Razões para começar agora

Pode começar a poupar de forma simples

  • Poupar é mais simples se começar por pequenos passos. Pode subscrever a partir de 100€

Sem comissões de subscrição

  • Não é cobrada qualquer comissão de subscrição quando subscreve a modalidade Poupança Complementar

Flexibilidade no momento do reembolso

  • Se necessitar, aceda ao seu dinheiro a qualquer momento, ainda que sujeito a eventuais penalizações sobre o rendimento
×

Comece a poupar na sua área pessoal

Entrar

O que precisa de saber

Idade de subscrição: A partir de 18 anos

Prazo: Sem prazo. Eventuais penalizações no rendimento acumulado de entregas reembolsadas com cinco ou menos anos

Valorização anual: Rendimento mínimo acrescido do eventual rendimento complementar aprovado em Assembleia de Representantes

Interessado? Saiba como começar a poupar

Para subscrever esta modalidade mutualista, basta:

  • Ser Associado (caso ainda não seja poderá associar-se de forma simples e rápida) e manter ativo o vínculo associativo
  • Definir o montante de entrega mínima inicial entre 100€ e 500 000€

Como reforçar a sua poupança

Entregas programadas/periódicas:

  • Mensais: 10,00 €
  • Trimestrais: 25,00 €
  • Semestrais: 50,00 €
  • Anuais: 100,00 €

Entregas adicionais livres: 20,00€

Benefícios

  • Constituir e manter uma poupança flexível e valorizada permite-lhe apoiar os seus projetos ao longo da sua vida com total segurança e qualidade de vida. Usufrua também de todos os benefícios a que pode aceder por ser Associado, nas áreas da saúde, lazer e qualidade de vida.
  • Pode reembolsar entregas com mais de 5 anos de antiguidade sem qualquer penalização no rendimento, no caso do reembolso de entregas com 5 ou menos anos de antiguidade, desde que o respetivo motivo se enquadre nos fins de exceção previstos.
  • Capitalização do rendimento gerado, creditado na poupança, e tributado apenas aquando do seu reembolso, podendo vir a beneficiar de tributação apenas sobre parte do rendimento auferido, no caso de reembolso de entregas com antiguidade superior a 5 anos.

Reembolsos

Podem ser efetuados reembolsos a qualquer altura. No momento do reembolso o Associado tem direito ao capital acumulado (capital entregue e respetivo rendimento, deduzido de eventuais reembolsos e penalizações).

A segurança do Mutualismo

As suas contribuições estão em boas mãos com o Montepio Associação Mutualista. Todos os capitais, pensões ou rendas a pagar pela Associação estão garantidos pelo seu ativo. Com mais de 180 anos de experiência na gestão das poupanças, bem como de coberturas por morte, invalidez e longevidade dos portugueses, mais de meio milhão de associados fazem desta Associação uma referência no setor mutualista e da economia social.

Ler mais

Torne-se Associado

Saiba mais
Mais produtos para si

Poupança Reforma

  • Garantia de um complemento à reforma
  • Valorização atrativa
  • Possibilidade de começar a poupar a partir de 100€
Saiba mais

Poupança Prazo 5.1

  • Poupança a 5 anos e 1 dia, com TANB média de 3,000%
  • Subscrição através de Referência Multibanco
  • Possibilidade de começar a poupar a partir de 150€
Saiba mais