Saiba quem faz parte do seu agregado familiar

Casa, comida e roupa lavada. Se acha que ser membro de um agregado familiar é só isto, está enganado. Saiba o que é preciso para pertencer a uma unidade destas.
Artigo atualizado a 09-11-2021
agregado familiar

De uma forma geral, são considerados elementos do agregado familiar, as pessoas que vivem em economia comum e que têm entre si laços familiares. No entanto, este conceito pode ter alguns contornos específicos, consoante o objetivo final. Saiba quem pode fazer parte do seu agregado familiar para efeitos de IRS e Segurança Social.

Conheça os conceitos de agregado familiar

Para o IRS:

Segundo o artigo 13.º do Código do IRS (CIRS), o agregado familiar é composto por:

  • Cônjuges ou unidos de facto e dependentes.
  • Cada um dos cônjuges ou ex-cônjuges separados, viúvos ou divorciados com dependentes.
  • O pai ou a mãe solteiros e dependentes.
  • O adotante solteiro e dependentes.

Como dependentes, consideram-se:

  • Os filhos, adotados e enteados, menores não emancipados, bem como os menores sob tutela.
  • Os filhos, adotados e enteados, maiores, que não tenham mais de 25 anos nem aufiram anualmente rendimentos superiores ao valor da retribuição mínima mensal garantida.
  • Os filhos, adotados, enteados e sujeitos a tutela, maiores, inaptos para o trabalho e para angariar meios de subsistência;
  • Os afilhados civis.

Quem fica de fora?

Não são contemplados os ascendentes. Mesmo que vivam em comunhão de bens, os ascendentes nunca fazem parte do agregado familiar, devendo entregar sozinhos a sua declaração de IRS. O mesmo acontece com os parentes em linha colateral até ao 3.º grau, como os irmãos, tios ou sobrinhos.

No entanto, caso existam ascendentes em comunhão de habitação com o sujeito passivo, é possível deduzir algumas despesas com os mesmos. Desde que não tenham rendimentos superiores à pensão mínima do regime geral.

Para a Segurança Social:

Para efeitos de atribuição de prestações da Segurança Social – em que o requerente tem de comprovar os seus recursos económicos – considera-se como agregado familiar as pessoas, vinculadas por relações jurídicas familiares, que vivem em comunhão de mesa e habitação com o requerente e em economia familiar com o mesmo. De acordo com o Decreto-Lei n.º 70/2010, o agregado familiar é composto por:

  • Titular.
  • Cônjuge ou pessoa em união de facto há mais de dois anos.
  • Parentes e afins maiores, em linha reta e em linha colateral, até ao 3.º grau.
  • Parentes e afins menores em linha reta e em linha colateral.
  • Adotantes, tutores e pessoas a quem o requerente esteja confiado por decisão judicial ou administrativa de entidades ou serviços legalmente competentes para o efeito.
  • Adotados e tutelados pelo requerente ou qualquer dos elementos do agregado familiar.
  • Crianças e jovens confiados por decisão judicial ao requerente ou a qualquer dos elementos do agregado familiar.

IRS e Segurança Social: quais as diferenças?

Para o IRS, apenas contam os cônjuges (ou unidos de facto) do sujeito passivo e dependentes. Já para a Segurança Social, contam todos membros da família que vivam em economia comum. Incluindo parentes em linha reta (pais, avós e bisavós) e colaterais até ao 3.º grau (tios, irmãos e sobrinhos).

Além disso, para o IRS, depois de atingirem a maioridade, os filhos só são considerados membros do agregado familiar se não tiverem rendimentos superiores ao valor da retribuição mínima mensal garantida. E no máximo até aos 25 anos. Já para a Segurança Social, não existe limite de idade para fazer parte do agregado familiar, basta que os membros do agregado vivam em economia comum.

Para as estatísticas:

O conceito de agregado familiar para a Segurança Social é semelhante ao de “agregado doméstico privado”, utilizado pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE). Que, de acordo com a definição do INE, é um conjunto de pessoas que residem no mesmo alojamento e que partilham as despesas básicas (alimentação e alojamento), independentemente de haver laços de parentesco.

Neste grupo incluem-se os hóspedes com pensão alimentar, os casais que residem com os pais e os filhos/hóspedes, bem como outras pessoas. Desde que as despesas fundamentais sejam, habitualmente, suportadas por um orçamento comum. São ainda considerados como pertencentes ao agregado doméstico privado os empregados domésticos que coabitem no alojamento.

Ler mais

Este artigo foi útil?

Lamentamos saber. Deixe-nos a sua sugestão de como melhorar?(opcional)

  • Guia de “Pequenas Grandes Poupanças”

    Os seus filhos sabem poupar?

    Ninguém nasce ensinado a poupar, mas pode aprender desde o berço. O novo guia de “Pequenas Grandes Poupanças” ajuda os pais e educadores a falarem com os mais jovens sobre dinheiro. O futuro agradece.

    Ler o guia

Lorem ipsum dolor sit amet. Para o seu filho, é possível que a literacia financeira seja como este texto: latim. Não tem que ser assim. Para celebrar o Dia Mundial da Poupança, a Associação Montepio disponibiliza um guia para os jovens pouparem à grande.

Pequenas Grandes Poupanças: um guia para ler e ensinar

A primeira interação com as moedas, os mealheiros, a mesada, as compras por impulso, a pressão dos amigos, a poupança para o carro, para a casa, para a faculdade… uff. A relação do seu filho com o dinheiro constrói-se ao longo do tempo. Saiba, neste guia, como apoiá-lo neste processo.

Guia da Poupança

Poupança Complementar Jovem

Esta poupança cresce com o seu filho. Subscreva-a ainda hoje e prepare o futuro da sua família.

Qual a idade do seu filho?

Uma criança de 5 anos tem estímulos e comportamentos diferentes de um adolescente. Por isso, o guia está dividido em seis faixas etárias, cada uma com os seus desafios.

0-4 anos

0 aos 4 anos

Os fundamentos da educação financeira do seu filho começam aqui, assim como a primeira poupança, após o nascimento.

5-7 anos

5 aos 7 anos

De onde vem o dinheiro? Chegou o momento de responder a esta pergunta típica das crianças.

8-10 anos

8 aos 10 anos

O método dos três mealheiros vai ajudar os pré-adolescentes a gerirem melhor o dinheiro e a serem solidários.

11-13 anos

11 aos 13 anos

O desejo de comprar acentua-se com a pressão dos pares. Mas há sinais e formas de contornar esta ameaça.

14-16 anos

14 aos 16 anos

As primeiras contas entre receitas e despesas estão prontas a fazer. E é altura, também, de supervisionar a conta bancária.

17-18 anos

17 aos 18 anos

A caminho da faculdade, as oportunidades para fazer crescer a poupança aumentam. Mas é preciso ter atenção às despesas.

O seu filho ou educando é menor de 18 anos? Este guia essencial é o primeiro passo para uma vida financeiramente saudável.

Descontos

Zoo de Lisboa

Zoo de Lisboa

Leya Online

LeYa Online

Happy Code

Happy Code

Ginásios de Educação Da Vinci

Ginásios Da Vinci

Wall Street Institute

Wall Street English

Montepio U Live

Montepio U Live

Mantenha-se informado/a