Comprar online: vantagens, cuidados e impostos

Está cansado de calcorrear várias superfícies comerciais e enfrentar filas para fazer as suas compras? Experimente comprar online.
Artigo atualizado a 22-11-2021

Roupa, eletrodomésticos, computadores, brinquedos, livros, produtos de beleza, detergentes, mobiliário, etc. Na internet é possível comprar quase tudo, com toda facilidade, comodidade e, regra geral, a preços mais acessíveis. Mas, como em tantas outras situações na vida, comprar online implica alguns cuidados. Se é novato nestas andanças, há aspetos que deve conhecer.

Comprar online

Vantagens

Comprar online é muito semelhante às aquisições efetuadas em lojas físicas. Por isso, se vai fazer compras pela internet, prepare-se para o ritual habitual: visitar várias “lojas”, comparar preços, escolher os produtos, colocar os artigos no carrinho de compras e pagar.

No entanto, comprar online traz várias vantagens. É prático, pois permite fazer as compras a qualquer hora. É cómodo: não é necessário sair de casa nem enfrentar filas e carregar as compras. E é mais económico – normalmente, os preços são mais acessíveis e há mais promoções. Outro ponto positivo de comprar online é a privacidade, uma vez que é possível fazer compras sem ter alguém a observar.

Saiba ainda que a qualquer momento pode desistir da compra, até mesmo depois do pagamento, já que, tal como nas lojas físicas, pode arrepender-se e querer devolver a mercadoria durante o “período de reflexão”.

Cuidados

Para evitar dissabores, procure comprar sempre em lojas virtuais de confiança. Tal como nas lojas físicas, há sites que levantam dúvidas ou suspeitas. Em caso de desconfiança, verifique a área do “Quem Somos” ou de “Contactos”. Se, ainda assim, não se sentir seguro, “dirija-se” a outra “loja”. A aposição de selos e certificados atribuídos por organizações idóneas também pode ser uma salvaguarda.

AmazonEbay, GearBest, AliExpress, Booking estão entre as plataformas internacionais mais populares para comprar online com envio para Portugal.

O momento do pagamento ainda pode causar calafrios a muitos consumidores, mas a tecnologia está cada vez mais desenvolvida e as empresas não descuram as questões de segurança.

Ainda assim, os consumidores devem ter alguns cuidados para um pagamento online seguro. Eis algumas recomendações da SIBS, empresa que gere o Multibanco:

  • Proteger os equipamentos – PC, tablet ou smartphone – com um antivírus (ter sempre a última versão disponível);
  • Não divulgar informação pessoal ou confidencial, por exemplo dados de cartões bancários e senhas de acesso ao homebanking.
  • Não efetuar pagamentos na internet em computadores partilhados, tais como em cibercafés, quiosques, centros comerciais, aeroportos e hotéis.
  • Não utilizar a mesma senha para todos os sites.
  • Consultar os extratos das contas bancárias com regularidade e contactar o banco se houver algo estranho.
  • Efetuar o pagamento em sites seguros, cujos endereços comecem por HTTPS://.
  • Proteger as comunicações sem fios (Wi-Fi).

Impostos

Compras na União Europeia

As compras online também estão sujeitas ao pagamento de impostos. Se a aquisição for realizada numa loja virtual sediada num país da União Europeia é necessário pagar o IVA. Pode ser ainda exigido o pagamento dos Impostos Especiais sobre o Consumo (IEC), no caso de mercadorias sujeitas a estes tributos (tabaco, bebidas alcoólicas, etc.), e do Imposto Sobre Veículos (ISV), tal como aconteceria se a transação fosse efetuada numa loja física nesse estado-membro.

Compras extracomunitárias

Caso a compra ocorra num site com sede num país extracomunitário, ou seja, fora da União Europeia, é igualmente obrigatório pagar o IVA, qualquer que seja o seu valor. Esta regra entrou em vigor no dia 1 de julho de 2021. Antes, as compras extracomunitárias abaixo dos 22 euros estavam isentas do pagamento de IVA. Além deste imposto, pode acrescer o pagamento de taxas aduaneiras (tarifas cobradas quando os bens cruzam as fronteiras internacionais, que variam de acordo com o produto e o país) e despesas alfandegárias cobradas pelo próprio operador postal que atua como intermediário, no processo de desalfandegamento, junto da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT).

Para encomendas de baixo valor (até 150 euros) existe a possibilidade de ser o comerciante a liquidar o imposto devido. Deste modo, aconselhamos que verifique, quando comprar online, se a “loja” é uma das que se propõem a facilitar todo o processo de importação.

Ler mais

Este artigo foi útil?

Lamentamos saber. Deixe-nos a sua sugestão de como melhorar?(opcional)

Torne-se Associado

Saiba mais