< Voltar à página de Impostos

Passo a passo: como calcular o IRS em 2019

Soma, subtração, divisão e multiplicação. O processo de apuramento do IRS implica fazer todas estas operações e várias vezes. Saiba como calcular o IRS e fique a saber antecipadamente se vai pagar imposto adicional ou receber reembolso este ano.
Como calcular o IRS sem (muitas) complicações?

Saber como calcular o IRS é importante para poder planificar as finanças pessoais. Por exemplo, em caso de reembolso, pode destinar-se esse dinheiro para pagar despesas extraordinárias, como o seguro do carro ou os livros escolares dos filhos. Já em situação de imposto adicional a pagar, podem fazer-se algumas poupanças para acautelar esse pagamento. Veja como calcular o IRS em 2019, referente aos rendimentos de 2018.

Caso prático

Para exemplificar como calcular o IRS, apresentamos o caso de uma família fictícia residente no Continente e composta por um casal e dois filhos (ambos com mais de três anos de idade). Neste exercício, assumimos que, em 2018, os dois cônjuges receberam apenas rendimentos do trabalho dependente.

O cálculo do IRS tem conta os seguintes elementos:

Rendimentos e descontos

Cônjuge 1:

Salário mensal bruto: 2 500 euros (35 000 euros anuais)
Retenção mensal na fonte de IRS: 617 euros (8 638 euros anuais)
Contribuição mensal para a Segurança Social: 275 euros (3 850 euros anuais)

Cônjuge 2:

Salário mensal bruto: 1 300 euros (18 200 euros anuais)
Retenção mensal na fonte de IRS: 172 euros (2 408 euros anuais)
Contribuição mensal para a Segurança Social: 143 euros (2 002 euros anuais)

Despesas dedutíveis à coleta

Cônjuges e filhos:

Despesas gerais familiares: 12 000 euros
Saúde: 1 200 euros
Educação: 6 500 euros

Tributação

Conjunta

Como calcular o IRS

1.º passo: calcular o rendimento anual bruto do casal

Para se determinar o rendimento anual bruto do casal, somam-se os rendimentos brutos anuais de ambos os cônjuges.

35 000 euros + 18 200 euros = 53 200 euros

2.º passo:  calcular o rendimento coletável do casal

Ao rendimento bruto anual do casal subtraem-se as deduções ao rendimento aplicáveis aos rendimentos do trabalho dependente (categoria A). No caso em análise, cada cônjuge tem direito a deduzir ao seu rendimento bruto anual apenas o valor de 4 104 euros.

53 200 euros – (4 104 euros + 4 104 euros) = 44 992 euros

3.º passo: calcular o rendimento coletável corrigido

O rendimento coletável corrigido obtém-se dividindo o rendimento coletável pelo quociente familiar (cada cônjuge vale um). Como o casal fictício pretende ser tributado em conjunto, o quociente familiar é igual a dois. Ou seja, o rendimento coletável é dividido por dois.

44 992 euros : 2 = 22 496 euros

4.º passo: encontrar o escalão de IRS

É o rendimento coletável corrigido que determina o escalão de IRS. Para saber qual é o escalão, basta verificar na tabela das taxas gerais de IRS (ver abaixo) a que intervalo corresponde o rendimento coletável corrigido apurado.

EscalãoRendimento coletável corrigidoTaxa normal Taxa média
1.º Até 7 091€14,5%4,500%
2.º De mais de 7 091€ até 10 700€23%17,367%
3.º De mais de 10 700€ até 20 261€28,5%22,621%
4.ºDe mais de 20 261€ até 25 000€35%24,967%
5.ºDe mais de 25 000€ até 36 856€37%28,838%
6.ºDe mais de 36 856€ até 80 640€45%37,613%
7.ºSuperior a 80 640€48%

O rendimento coletável corrigido do casal (22 496 euros) enquadra-se no 4.º escalão (de mais de 20 261 euros até 25 000 euros), ao qual corresponde uma taxa normal de IRS de 35%. Mas atenção. Como mostramos no passo seguinte, esta taxa não incide sobre todo o rendimento coletável corrigido.

5.º passo: calcular a coleta

A coleta – ou seja, o imposto a pagar ao Estado sem quaisquer descontos – pode ser calculada de três maneiras.

Método 1

Neste primeiro método, distribui-se o rendimento coletável corrigido pelos vários escalões até ao escalão em que ficou enquadrado (ver passo anterior) e aplicam-se as taxas correspondentes, com base na tabela das taxas gerais de IRS. Depois, somam-se as várias parcelas e multiplica-se o resultado pelo quociente familiar.

Distribuição do rendimento coletável corrigido

Os 22 496 euros são distribuídos da seguinte forma:

1.º escalão

Vai até 7 091 euros. Por isso, é este o valor que é encaixado neste escalão. Ficam a sobrar 15 405 euros (22 496 euros – 7 091 euros).

2.º escalão

Vai desde mais de 7 091 euros até 10 700 euros. Aqui,  só cabem 3 609 euros (10 700 euros – 7 091 euros). Faltam encaixar 11 796 euros (15 405 euros – 3 609 euros).

3.º escalão

Vai desde mais de 10 700 euros até 20 261 euros. Ou seja, é possível colocar 9 561 euros (20 261 euros – 10 700 euros). Mesmo assim, ainda restam 2 235 euros para perfazer os 22 496 euros.

4.º escalão

Vai desde mais de 20 261 euros até 25 000 euros. Cabem, portanto, 4 739 euros. Mas só é necessário inserir 2 235 euros.

Aplicação das taxas

Multiplica-se o rendimento coletável corrigido que coube em cada escalão pela taxa normal correspondente.

1.º escalão

7 091 euros x 14,5% = 1 028,19 euros

2.º escalão

3 609 euros x 23% = 830, 07 euros

3.º escalão

9 561 euros x 28,5% = 2 724,88 euros

4.º escalão

2 235 euros x 35% = 782,25 euros

Soma dos valores dos escalões

De seguida, somam-se os valores obtidos para cada escalão.

1 028,19 euros + 830,07 euros + 2 724,88 euros + 782,25 euros = 5 365,39 euros

Aplicação do quociente familiar

Finalmente, para determinar a coleta, multiplica-se o resultado anterior pelo quociente familiar, ou seja, por dois.

5 364 euros x 2 = 10 730,78 euros*

Valor da coleta

A coleta totaliza 10 730,78 euros.

Método 2

Existe outra forma de apurar a coleta. Aqui, utiliza-se também a tabela das taxas gerais de IRS, mas o método de distribuição do rendimento coletável corrigido e a aplicação das taxas são diferentes (não se faz escalão a escalão).

Distribuição do rendimento coletável corrigido

O rendimento coletável corrigido é dividido em duas parcelas. Na primeira, encaixa-se o valor correspondente ao limite superior do penúltimo escalão (face ao escalão em que se fica enquadrado). Neste caso, o penúltimo escalão é o 3.º escalão, uma vez que o casal ficou posicionado no 4.º escalão. Na segunda, fica o valor remanescente.

Desta forma, na primeira parcela cabem 20 261 euros. Os restantes 2 235 euros ficam na segunda parcela.

Aplicação das taxas

À primeira parcela aplica-se a taxa média correspondente ao penúltimo escalão (3.º escalão) e à segunda a taxa normal respeitante ao último escalão (4.º escalão)

Primeira parcela

20 261 euros x 22,621% = 4 583,24 euros

Segunda parcela

2 235 euros x 35% = 782,25 euros

Soma das parcelas

Somam-se as duas parcelas.

4 583,24 euros + 782,25 euros = 5 365,49 euros

Aplicação do quociente familiar

Multiplica-se o resultado anterior pelo quociente familiar.

5 365,29 euros x 2 = 10 730,98 euros*

Valor da coleta

A coleta totaliza 10 730,98 euros.

Método 3

A coleta pode ainda ser calculada através da chamada tabela prática de IRS (ver abaixo), que é construída a partir da tabela das taxas gerais do IRS. Normalmente, é disponibilizada nos sites das consultoras. Este método é o que envolve menos contas.

EscalãoRendimento coletável corrigidoTaxa normal Parcela a abater
1.ºAté 7 091€14,5%0,00€
2.ºDe mais de 7 091€ até 10 700€23%602,74€
3.ºDe mais de 10 700€ até 20 261€28,5%1 191,24€
4.ºDe mais de 20 261€ até 25 000€35%2 508,20€
5.ºDe mais de 25 000€ até 36 856€37%3 008,20€
6.ºDe mais de 36 856€ até 80 640€45%5 956,68€
7.ºSuperior a 80 640€48%8 375,88€

Distribuição do rendimento coletável corrigido

O rendimento coletável é inserido na totalidade no escalão em que se fica posicionado. Assim, os 22 496 euros de rendimento coletável corrigido são totalmente encaixados no 4.º escalão.

Aplicação das taxas

À totalidade do rendimento coletável corrigido aplica-se a taxa normal correspondente ao escalão em que se ficou enquadrado (4.º escalão).

22 496 euros x 35% = 7 873,6 euros

Dedução da parcela a abater

Ao valor resultante da aplicação da taxa desconta-se a parcela a abater correspondente

7 873,6 euros – 2 508,20 euros = 5 365,4 euros

Aplicação do quociente familiar

Multiplica-se o resultado anterior pelo quociente familiar.

5 365,4 euros x 2 = 10 730,80 euros*

Valor da coleta

A coleta totaliza 10 730,80 euros.

 

* As diferenças nos valores da coleta devem-se aos arredondamentos.

6.º passo: calcular as deduções à coleta

Ao valor da coleta calculado no passo anterior são descontadas as deduções à coleta aplicáveis. No caso em análise são as seguintes:

  • 1 200 euros (dedução fixa por dependente com mais de três anos de idade: 600 euros)
  • 500 euros (dedução de despesas gerais familiares: 35% dos gastos até 250 euros por cada cônjuge)
  • 180 euros (dedução de saúde: 15% dos encargos até 1 000 euros por agregado familiar)
  • 800 euros (dedução de educação: 30% dos custos até 800 euros por agregado familiar)

1 200 euros + 500 euros + 180 euros + 800 euros = 2 680 euros

No total, este casal pode deduzir à sua coleta a importância de 2 680 euros.

Conheça todas as despesas que pode deduzir ao IRS em 2019

7.º passo: calcular a coleta líquida

A coleta líquida obtém-se subtraindo à coleta as deduções aplicáveis.

10 730 euros – 2 680 euros = 8 050 euros

Este é efetivamente o imposto devido pelo casal relativo aos rendimentos obtidos em 2018.

8.º passo: acerto de contas

Resta ainda saber se, em 2019, há IRS adicional a pagar ou a receber de volta, face ao que foi adiantado ao Estado ao longo do ano anterior por via da retenção mensal na fonte. Para isso, somam-se os valores retidos mensalmente pelos cônjuges em 2018. Se o resultado for superior à coleta líquida, significa que foi adiantado mais imposto do que o devido. Nesse caso, este ano, é devolvido o que foi pago a mais. Se, pelo contrário, o resultado for inferior, quer dizer que o imposto antecipado em 2018 foi insuficiente, pelo que, em 2019, deve ser pago o imposto em falta.

A retenção mensal na fonte do casal em 2018 atingiu 11 046 euros (8 638 euros + 2 408 euros). Como o valor é superior à coleta líquida (8 050 euros), há lugar a reembolso. O casal tem assim a receber 2 996 euros (11 046 euros – 8 050 euros)

Agora que já sabe como calcular o IRS, faça as contas ao seu imposto. Bons cálculos!

Ler mais

Saiba mais sobre

Impostos , IRS